Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
6

Governo do Brasil diz que acusação contra Temer é uma "marcha irresponsável"

Presidente brasileiro foi acusado de obstrução e organização criminosa.
15 de Setembro de 2017 às 07:53
Michel Temer
Michel Temer
Michel Temer
Michel Temer
Michel Temer
Michel Temer
Michel Temer
Michel Temer
Michel Temer
Michel Temer
Michel Temer
Michel Temer
Michel Temer
Michel Temer
Michel Temer
Michel Temer
Michel Temer
Michel Temer
Michel Temer
Michel Temer
Michel Temer
O Governo do Brasil considerou a acusação contra o Presidente Michel Temer na noite de quinta-feira pelo Procurador-geral do país, Rodrigo Janot, é uma "marcha irresponsável".

"O Procurador-Geral da República continua a marcha irresponsável para encobrir as suas próprias falhas. Ignora deliberadamente as graves suspeitas que fragilizam as delações [acordos em troca da redução das penas] sobre as quais se baseou para formular a segunda denúncia contra o Presidente da República, Michel Temer", lê-se num comunicado assinado pela Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência.

A afirmação diz respeito às suspeitas lançadas no acordo de colaboração firmado pela Procuradoria-geral com executivos da empresa JBS - base da denúncia - que acabou suspenso porque o Ministério Público descobriu irregularidades.

"Ao fazer esse movimento [de oferecer a denúncia] Rodrigo Janot tenta criar factos para encobrir a necessidade urgente de investigação sobre pessoas que integraram a sua equipa e em relação às quais há indícios consistentes de terem direcionado delações e, portanto, as investigações", acusou o Governo brasileiro.

O órgão acrescentou ainda que "a segunda denúncia é recheada de absurdos. Fala de pagamentos em contas no exterior ao presidente sem demonstrar a existência da conta do Presidente em outro país. Transforma contribuição lícita de campanha em ilícita, mistura factos e confunde para tentar ganhar ares de verdade. É realismo fantástico em estado puro".

"O Presidente tem certeza de que, no final de todo esse processo, prevalecerá a verdade e, não mais, versões, fantasias e ilações. O Governo poderá então se dedicar ainda mais a enfrentar os problemas reais do Brasil", conclui o comunicado.

O chefe de estado brasileiro foi acusado de praticar os crimes de obstrução à justiça e participação em organização criminosa.

Michel Temer já havia sido constituído arguido no caso envolvendo a JBS em agosto, quando foi acusado de cometer o crime de corrupção passiva.

A denúncia foi arquivada porque o Congresso brasileiro não autorizou que o Supremo Tribunal Federal (STF) abrisse um processo.

Para que o Presidente responda criminalmente sobre esta segunda denúncia também será preciso que a câmara baixa brasileira decida em votação no plenário que autoriza a abertura de um processo.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)