Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
1

Governo iraquiano pede explicações

Numa altura em que se sucedem as acusações de ataques de militares norte-americanos contra civis iraquianos, o governo de Bagdad anunciou que vai exigir aos EUA os documentos sobre as investigações a um alegado massacre de civis perpetrado por marines norte-americanos na cidade de Haditha.
2 de Junho de 2006 às 10:22
Governo iraquiano pede explicações
Governo iraquiano pede explicações FOTO: d.r.
A decisão, dada a conhecer pelo primeiro-ministro iraquiano, Nuri al-Maliki, surge após uma investigação aos acontecimentos ocorridos em Haditha, cidade situada 200 quilómetros a noroeste de Bagdad, com a justiça norte-americana a deixar em aberto a possibilidade de os marines acusados da morte de 24 civis poderem vir a ser julgados e condenados.
As acusações em causa surgiram depois de dois processos de investigação ao alegado massacre e encobrimento do mesmo efectuados pelos Serviços de Investigação Criminal da Marinha. Segundo fontes judiciais norte-americanas, as investigações serão entregues às autoridades em Junho.
O massacre terá ocorrido a 19 de Novembro do ano passado, quando elementos da Companhia Kilo do Terceiro Batalhão dos Marines efectuavam uma patrulha na cidade de Haditha, descrita como um ponto de forte implantação de forças rebeldes iraquianas e palco de constantes ataques.
Os militares norte-americanos alegaram que os 24 civis morreram durante um ataque bombista de que foram alvo, e que vitimou um colega seu, e de uma posterior troca de tiros com rebeldes. Todavia, um vídeo gravado na altura mostrou que os civis, entre os quais mulheres e crianças, teriam sido assassinados à queima-roupa, supostamente pelos militares.
VÍDEO COMPROMETE NORTE-AMERICANOS
Entretanto, a BBC deu a conhecer hoje um vídeo que denuncia a suposta responsabilidade das tropas norte-americanas na morte de 11 civis iraquianos no passado mês de Março na localidade de Ishaqi, a cerca de 100 quilómetros de Bagdad, contrariando a versão do Pentágono que na altura falou em apenas quatro vítimas.
Desse incidente, segundo a polícia iraquiana, resultaram onze mortos, seis adultos e cinco crianças, mas as tropas dos EUA só reconheceram a morte de duas mulheres, um menino e um presumível elemento da al-Qaeda. O vídeo, proveniente de um grupo radical sunita que se opõe à presença das tropas estrangeiras no Iraque, mostra vários adultos e menores mortos com feridas de bala.
Ver comentários