Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
3

Governo rejeita ultimato militar

O primeiro-ministro tailandês, Somchai Wongsawat, rejeitou ontem as pressões dos militares para se demitir e prometeu "tomar medidas" para restabelecer a ordem no país, virtualmente paralisado há meses por uma onda de protestos da oposição, que esta semana ocupou o aeroporto internacional de Banguecoque, deixando em terra milhares de turistas estrangeiros.
27 de Novembro de 2008 às 00:30
Manifestantes cortaram todos os acessos ao aeroporto da capital
Manifestantes cortaram todos os acessos ao aeroporto da capital FOTO: Sukree Sukplang / Reuters

Face ao caos que tomou conta das ruas, com confrontos violentos entre opositores e apoiantes do governo a fazerem pelo menos um morto e dezenas de feridos, o Chefe do Estado-Maior do Exército, general Anupong Pachinda, apelou ontem à demissão imediata do primeiro-ministro e à dissolução do Parlamento, por forma a abrir caminho à convocação de novas eleições. Apesar de o general Pachinda ter reiterado que o Exército não tenciona recorrer à força para afastar o governo, as suas palavras foram interpretadas em Banguecoque como um sério aviso a Wongsawat e os rumores de golpe iminente correm na capital tailandesa.

Apesar da pressão dos militares e da oposição, o chefe do governo recusa demitir-se, lembrando que o governo foi democraticamente eleito, e promete "tomar medidas" contra os manifestantes, incluindo aqueles que ocuparam o aeroporto.

A oposição, que conta com o apoio da elite tailandesa, considera Wongsawat um ‘fantoche’ do deposto presidente Shinawatra, fortemente apoiada pelas comunidades rurais.

TURISTA LUSO SURPREENDIDO

Um turista português que se preparava para regressar a Lisboa foi terça-feira surpreendido pela invasão do aeroporto de Banguecoque pelos manifestantes, mas diz nunca se ter sentido ameaçado, apenas "espantado." "Estava, com um amigo meu, a fazer o ‘check in’, quando ouvi gritos. Depois vi entrar a polícia de choque e os funcionários fugiram todos", afirmou João Ferreira à Lusa. Após algumas horas de espera, o turista luso e o seu companheiro de viagem conseguiram regressar ao hotel na capital tailandesa, tendo já entrado em contacto com a embaixada portuguesa, que lhes garantiu todo o apoio. Pelo menos cinco portugueses de férias no país já contactaram aquela representação diplomática, a maioria para pedir informações.

SAIBA MAIS

PAÍS DIVIDIDO

O governo tailandês tem uma forte base de apoio rural, fruto das políticas populistas do ex-primeiro-ministro Shinawatra, cunhado do actual chefe de governo. A oposição do PAD é apoiada pelas classes ricas e urbanas.

2006

foi o ano em que o primeiro-ministro Thaksin Shinawatra foi deposto num golpe militar, precedido por protestos de rua do PAD. No ano seguinte, o partido de Shinawatra venceu novamente as eleições.

125 MIL

é o número de passageiros que diariamente passam pelo aeroporto de Banguecoque, ocupado pelos apoiantes da oposição.

TURISMO

A indústria turística é a principal fonte de receitas da Tailândia devido às praias e templos.

 

 

 

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)