Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
6

Grávida dá a luz em coma e acorda a pensar que tem 13 anos

Jovem de 22 anos sofreu uma embolia do liquido amniótico durante o parto que lhe provocou falta de memória.
25 de Novembro de 2017 às 12:54
Grávida dá a luz em coma e acorda a pensar que tem 13 anos
Grávida dá a luz em coma e acorda a pensar que tem 13 anos
Grávida dá a luz em coma e acorda a pensar que tem 13 anos
Grávida dá a luz em coma e acorda a pensar que tem 13 anos
Grávida dá a luz em coma e acorda a pensar que tem 13 anos
Grávida dá a luz em coma e acorda a pensar que tem 13 anos
Grávida dá a luz em coma e acorda a pensar que tem 13 anos
Grávida dá a luz em coma e acorda a pensar que tem 13 anos
Grávida dá a luz em coma e acorda a pensar que tem 13 anos
Grávida dá a luz em coma e acorda a pensar que tem 13 anos
Grávida dá a luz em coma e acorda a pensar que tem 13 anos
Grávida dá a luz em coma e acorda a pensar que tem 13 anos
Uma jovem mãe, que sofreu uma paragem cardíaca após entrar em trabalho de parto, deu à luz em coma e acordou duas semanas depois a acreditar que tinha 13 anos, sem qualquer memória dos filhos ou do namorado. O caso ocorreu em setembro passado, no País de Gales.

Shannon Everett, de 22 anos, estava grávida do segundo filho quando sofreu uma embolia do liquído amniótico durante o parto, o que lhe provocou uma paragem cardíaca e uma hemorragia vaginal.

Os médicos conseguiram reanimá-la. De seguida, a jovem foi colocada em coma induzido e os médicos conseguiram realizar o parto, com recurso a fórceps e ventosas.

Quando Shannon acordou, a família ficou devastada ao perceber que a jovem mãe não tinha qualquer memória de ter dois filhos e de conhecer o namorado, Ioan.

"Naquele dia fomos ao hospital na esperança de trazer o bebé para casa, mas parece que voltámos com dois. O estado da Shannon é muito delicado, ela precisa de muitos cuidados", explicou a mãe da jovem, Nicola Everett, ao jornal britânico The Mirror.

Shannon regressou para casa dos pais, onde está a recuperar da perda de memória. "Ela continua a chamar-me de 'mamã' e quando lhe perguntámos onde morava ela deu o endereço de uma casa onde vivíamos quando ela tinha 13 anos", explicou a progenitora.

Para além da memória, a embolia afetou ainda a visão da jovem, bem como a coordenação fisico-motora. Shannon, que atualmente se movimenta apenas de cadeira-rodas, está a realizar fisioterapia para reaprender a fazer algumas coisas básicas que parece ter esquecido, como caminhar e alimentar-se sozinha.

A família procura agora uma casa maior onde todos possam viver. "Eu tenho uma filha com deficiência. Tenho de aceitar isso. Mas sinto um grande orgulho nela e na família que temos. Vamos investir tudo o que temos na recuperação fisíca e mental da Shannon", salientou Nicole.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)