Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
9

Grécia: Governo diz que País chegou a "beco sem saída"

Executivo helénico quer novas medidas contra a crise e vai pedir junto dos inspectores internacionais a limitação de mais sacrifícios
3 de Julho de 2012 às 11:36
Executivo liderado por Samaras quer evitar mais austeridade na Grécia
Executivo liderado por Samaras quer evitar mais austeridade na Grécia FOTO: D.R.

O Governo grego afirmou esta terça-feira que tenciona comunicar aos inspectores da União Europeia e do Fundo Monetário Internacional que as políticas de austeridade levaram o país a um "beco sem saída" e que é precisa uma nova estratégia anticrise.

"Vamos apresentar dados que não deixam dúvidas e que provam que fomos conduzidos para um 'beco sem saída', especialmente no que se refere à recessão e ao desemprego", disse hoje em Atenas o porta-voz do Governo grego, Simos Kedikoglu.

Em declarações ao canal de televisão MEGA, o mesmo porta-voz explicou que as informações sobre a situação económica vão ser usadas para argumentar, junto da "troika", as novas propostas do Executivo.

"Acreditamos que vamos ter êxito e que se vai conseguir um novo caminho", afirmou ainda Kedikoglou, acrescentado que o Governo garante que vai tentar limitar a aplicação de novos sacrifícios.

Os técnicos da "troika", constituída pela Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional, chegam hoje a Atenas para retomar contactos com o Governo grego e na quinta-feira vão reunir-se com os membros do novo Executivo.

Uma fonte da Comissão Europeia disse à Agência EFE que em "finais de Julho" vai realizar-se uma outra visita da "troika" para tratar de questões relacionadas com a renegociação das condições de poupança e reformas impostas à Grécia em troca da ajuda financeira, apesar dos prazos já estarem determinados.

Por outro lado, o jornal Kathimerini, de Atenas, indica que a reunião está marcada para o dia 24. Citando Jorg Asmussen, membro executivo do Banco Central Europeu em Atenas, disse na segunda-feira ao jornal que é possível renegociar certas medidas "sempre que os objectivos chave (austeridade) do programa se mantenham intactos".

grécia crise austeridade troika
Ver comentários