Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo

GYL Y GIL AFASTA RIVAL EM MARBELLA

A Assembleia Municipal de Marbella, Espanha, aprovou uma moção de censura contra o presidente da Câmara, Julian Muñoz. O facto significa que a vereadora do partido regional Grupo Independente Liberal (GIL) Marisol Yague, apoiada pelos partidários do ex-edil Jesús Gily Gil , é a partir de agora a presidente da Câmara.
15 de Agosto de 2003 às 00:57
O controverso milionário conseguiu ‘vingar-se’ de Muñoz, com quem se envolveu numa escaldante ‘guerra verbal’ que ‘coloriu’ o Verão político espanhol.
“Abre-se uma nova etapa para o governo de Marbella baseada na transparência e na pluralidade”, afirmou a nova presidente na sua intervenção no plenário. O mesmo não considera Muñoz, que classificou a iniciativa um “golpe de Estado de Jesús Gil”. Inconformado com o seu afastamento, conseguido com 14 votos favoráveis e 13 contra, o presidente afastado vai avançar com um processo de recolha de assinaturas para pedir a dissolução da Assembleia municipal.
‘Traidores e cobardes’
O fim do “reinado” de Muñoz suscitou polémica em Marbella. Cerca de duas centenas de pessoas receberam com insultos, à porta da Câmara Municipal, os 14 vereadores que assinaram a moção de censura. “Traidores”, “desavergonhados” e “cobardes” foram os nomes mais meigos chamados aos votantes.
A ruptura total entre Jesús Gil, antigo presidente de Marbella e promotor não declarado da moção, e Muñoz aconteceu quando o presidente demitiu o responsável pelo Urbanismo, Juan Antonio Roca, apoiante de Gil desde que o seu partido chegou ao poder em Marbella. A ligação entre aquela decisão e o surgimento da moção de censura pode comprovar-se pelo facto de a mesma ter sido avançada logo após a reunião extraordinária da Assembleia Municipal para debater o afastamento de Roca.
Ver comentários