Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
7

“Holanda age como república das bananas”

Turquia furiosa com proibição de entrada de dois ministros.
Ricardo Ramos 13 de Março de 2017 às 01:30
Polícia usou a força para travar protesto de imigrantes turcos em Roterdão
Polícia usou a força para travar protesto de imigrantes turcos em Roterdão FOTO: Reuters
O presidente turco Tayyip Erdogan acusou, este domingo, a Holanda de "agir como uma república das bananas" e denunciou o "nazismo e islamofobia" do Ocidente após o cancelamento de comícios de ministros turcos em vários países europeus, numa escalada da tensão de consequências imprevisíveis.

Usando um tom pouco habitual entre dois aliados da NATO, Erdogan prometeu que a Holanda "pagará um preço elevado" pela expulsão de dois ministros turcos, no sábado. "Pensava que o nazismo já não existia, mas enganei-me. Os acontecimentos dos últimos dias mostraram que está bem vivo no Ocidente. Aquilo a que assistimos é uma demonstração clara de xenofobia", afirmou Erdogan, que pediu à comunidade internacional para impor sanções à Holanda .

Na origem da tensão está a decisão do governo holandês de cancelar um comício pró-Erdogan em Roterdão por razões de segurança.

O MNE turco Mevlut Cavusoglu decidiu viajar na mesma para a cidade mas foi proibido de aterrar, e a ministra turca da Família foi impedida de entrar no consulado e escoltada até à fronteira alemã.

Centenas de imigrantes turcos que protestavam contra o cancelamento do comício atacaram a polícia com pedras e garrafas, levando as forças da ordem a carregar com bastões e gás lacrimogéneo.
Holanda Turquia protestos ministros Tayyip Erdogan Roterdão
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)