Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
6
Siga o CM no WhatsApp e acompanhe as principais notícias da atualidade Seguir

Homem filma-se a matar casal de polícias

Terrorista partilha vídeo no Facebook e deixa ameaça.
13 de Junho de 2016 às 22:55
Vítima mortal tem 42 anos
Vítima mortal tem 42 anos FOTO: Direitos Reservados
Um agente da polícia à paisana foi morto na noite desta segunda-feira em Magnanville, Paris, com nove facadas. O homem, de 42 anos, foi atingido quando regressava a casa. O crime ocorreu por volta das 21h00 locais (20h00 de Lisboa).

O homicida, identificado como Larossi Abballa, tinha 25 anos e foi condenado em 2013 por participar numa fileira 'jihadista', entre a França e o Paquistão.

O terrorista filmou a matança e o vídeo foi divulgado em direto na sua página de Facebook. Horas antes, Abballa escreveu uma ameaça na mesma rede social. "O Euro2016 vai ser um cemitério", lia-se.  

De acordo com Pierre-Henry Brandet, porta-voz do Ministério do Interior, o suspeito atingiu o agente antes de entrar e barricar-se com a mulher e o filho da vítima mortal na residência da família. O suspeito será vizinho da vítima mortal.

Depois de algumas horas de negociações, a polícia avançou para uma intervenção e abateu o atacante quatro horas depois do início do incidente. Dentro da residência foi encontrado também o corpo da mulher do polícia que também era agente das autoridades. Apenas o filho do casal, com três anos, foi resgatado com vida.

Uma explosão terá sido ouvida no interior da casa, por volta das 00h00 locais (23h00 em Lisboa), altura em que a polícia iniciou o ataque final.



O Amaq, organização de imprensa do Daesh, publicou no Twitter uma mensagem onde reivindicou a autoria deste ataque.

"Um lutador do Daesh matou com uma arma branca o vice-chefe da polícia de Mureaux e a sua esposa", revela a mensagem publicada na rede social.





A vítima mortal, Jean-Baptiste Salvaing, foi vice-comissário da polícia judiciária de Les Mureaux. 

Segundo uma fonte policial, o homem afirmou ser do Daesh durante as negociações com as autoridades, antes de ser morto a tiro. Testemunhas relataram aos investigadores que ele teria gritado "Allah akbar" enquanto atacou o polícia.

As autoridades decidiram evacuar cerca de quinze casas e cortaram a eletricidade e gás na zona deste ataque.

A Procuradoria de Paris anunciou já a abertura de um inquérito, a cargo da secção de combate ao terrorismo. O Presidente francês François Hollande convocou uma reunião de crise para a manhã esta terça-feira.

As motivações para este ataque são desconhecidas.



Paris França homicídio Pierre-Henry Brandet crime lei e justiça
Ver comentários
C-Studio