Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
6

Idosa detida por pintar graffiti

Mulher de 86 anos deixou mensagem na parede do Banco Nacional Suíço. Veja o vídeo.
11 de Abril de 2017 às 15:20
Idosa de 86 anos detida após pintar frase numa parede do Banco Nacional Suíço
Idosa de 86 anos detida após pintar frase numa parede do Banco Nacional Suíço
Idosa de 86 anos detida após pintar frase numa parede do Banco Nacional Suíço
Idosa de 86 anos detida após pintar frase numa parede do Banco Nacional Suíço
Idosa de 86 anos detida após pintar frase numa parede do Banco Nacional Suíço
Idosa de 86 anos detida após pintar frase numa parede do Banco Nacional Suíço
Idosa de 86 anos detida após pintar frase numa parede do Banco Nacional Suíço
Idosa de 86 anos detida após pintar frase numa parede do Banco Nacional Suíço
Idosa de 86 anos detida após pintar frase numa parede do Banco Nacional Suíço
Idosa de 86 anos detida após pintar frase numa parede do Banco Nacional Suíço
Idosa de 86 anos detida após pintar frase numa parede do Banco Nacional Suíço
Idosa de 86 anos detida após pintar frase numa parede do Banco Nacional Suíço
Idosa de 86 anos detida após pintar frase numa parede do Banco Nacional Suíço
Idosa de 86 anos detida após pintar frase numa parede do Banco Nacional Suíço
Idosa de 86 anos detida após pintar frase numa parede do Banco Nacional Suíço
Um grupo pacifista suíço revelou esta terça-feira que uma idosa de 86 anos foi detida por ter pintado a frase "Dinheiro para Armas mata" numa parede do Banco Nacional Suíço, num protesto contra o financiamento estatal a vendedores de armamento.

O secretário político do "Grupo para uma Suíça Livre de Armas", Youniss Mussa, revelou que a idosa, Louise Schneider, foi libertada hoje depois de ter sido detida na sequência do incidente, na cidade de Berna. O protesto visava lançar uma petição contra o envolvimento estatal nos negócios de armamento.

A Suíça está entre os cinco maiores exportadores mundiais de armamento "per capita", de acordo com o Banco Mundial e o Instituto Internacional de Investigação da Paz de Estocolmo.

Caso a campanha do grupo consiga reunir pelo menos 100 mil assinaturas nos próximos 18 meses, a Suíça realizará um referendo a perguntar à população se aceita ou não proibir os fundos de pensão estatais e o Banco Nacional Suíço de investir em empresas da indústria da Defesa que vendem armas para o estrangeiro.

O grupo pacifista afirma que estas entidades detêm participações de entre quatro e 12 mil milhões de francos suíços (entre 3,7 e 11,2 mil milhões de euros) nessas companhias.

Ver comentários