Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
6

INSTABILIDADE AUMENTA EM NASSIRYA

A insegurança aumentou nos últimos dias na região iraquiana de Nassirya, precisamente aquela onde vai ficar estacionado o contigente português. Num dos mais graves incidentes registados, um intérprete ao serviço das forças italianas foi morto.
16 de Setembro de 2003 às 00:00
O contingente italiano tem sido alvo de vários ataques
O contingente italiano tem sido alvo de vários ataques FOTO: Ministério da Defesa italiano
O descontentamento da população com o lento avanço dos esforços de reconstrução e a desconfiança em relação à presença de tropas estrangeiras esteve na origem da maioria dos incidentes registados nas últimas semanas naquela região de maioria xiita.
As forças italianas que patrulham a região foram por várias vezes alvejadas por atiradores, e chegaram mesmo a envolver-se, na semana passada, num tiroteio com antigos soldados iraquianos que reclamavam o pagamento dos salários em atraso. Na troca de tiros foi morto um intérprete iraquiano, naquele que foi o incidente mais grave até agora.
POWELL VISITA CIDADE MÁRTIR
O secretário de Estado norte-americano Colin Powell, que se encontra de visita ao Iraque, deslocou-se ontem à cidade mártir de Halabja para homenagear os cinco mil curdos que foram mortos pelas tropas de Saddam Hussein num ataque com armas químicas em 1988.
Powell, que presidiu à inauguração de um monumento em memória das vítimas do ataque, assegurou que os EUA não permitirão que tal barbaridade volte a repetir-se em solo iraquiano. Na ocasião, o chefe da diplomacia americana adiantou ainda que os EUA não podem ceder às pressões da comunidade internacional para uma rápida transferência de poder para os iraquianos.
“O pior que podia acontecer era concluírmos este processo demasiado depressa, antes de o governo iraquiano estar preparado e de estarem lançadas as bases para a sua legitimidade, e vermos tudo falhar”, afirmou Powell, no mesmo dia em que mais um soldado norte-americano foi morto no Iraque, elevando assim para 73 o número de militares dos EUA mortos desde o final dos combates, a 1 de Maio.
Ver comentários