Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo

Inundações podem agravar a tragédia

À devastação causada pelos incêndios na Grécia poderá seguir-se a tragédia das inundações. O comissário europeu do Ambiente alertou ontem que é preciso tomar medidas para proteger a área ardida, caso contrário as primeiras chuvas do Outono poderão trazer nova catástrofe para as populações afectadas.
30 de Agosto de 2007 às 00:00
Uma igreja devastada pelas chamas na Península do Peloponeso, a mais afectada pelos incêndios
Uma igreja devastada pelas chamas na Península do Peloponeso, a mais afectada pelos incêndios FOTO: Orestis Panagiotou/EPA
“Se chover, pode haver inundações porque o solo está de tal maneira seco que não conseguirá absorver a água”, alertou o comissário Stavros Dimas, anunciando que a União Europeia está disponível para contribuir financeiramente na recuperação das zonas afectadas, não apenas na protecção do solos, mas também no combate às consequências económicas e sociais dos incêndios, que mataram pelo menos 64 pessoas e devastaram mais de 200 mil hectares de floresta.
Ontem, o governo grego começou a disponibilizar as primeiras ajudas aos residentes nas zonas afectadas. São compensações de entre três mil e dez mil euros, destinadas a suprir necessidades básicas como alimentação e abrigo, incluindo restauração de casas danificadas pelo fogo.
Os bombeiros, apoiados por 50 meios aéreos nacionais e estrangeiros, conseguiram já controlar várias frentes de incêndio, e estavam moderadamente optimistas quanto à possibilidade de extinguir os restantes, desde que se mantenham as actuais condições, principalmente no que diz respeito ao vento, que diminuiu de intensidade nas últimas horas.
Apesar de, ao que tudo indica, o pior já ter passado, os gregos não parecem dispostos a esquecer a forma descoordenada e lenta como o governo reagiu à tragédia, e ontem voltaram a manifestar-se aos milhares no centro de Atenas.
PAPA CONDENA
O Papa Bento XVI condenou ontem as “acções criminosas” dos pirómanos que atearam os incêndios que devastaram a Grécia, afirmando que o seu “comportamento irresponsável coloca em perigo a integridade das pessoas e destrói o ambiente”. Falando na audiência geral das quartas-feiras, o Sumo Pontífice referiu-se às “emergências dramáticas” que são os incêndios que devastam a Grécia e antes assolaram a Itália, e convidou os milhares de fiéis presentes na Praça de São Pedro a juntarem-se a ele numa oração pelas vítimas.
GOVERNO ALBANÊS PEDE MEIOS AÉREOS
Mais de 40 incêndios assolavam ontem a Albânia de Norte a Sul, e só a intervenção de meios aéreos – de que o país não dispõe – poderia ajudar os bombeiros a controlar as chamas
Segundo a Protecção Civil local, as chamas estavam a colocar em risco a vida de pessoas, principalmente no norte do país, onde 20 famílias foram evacuadas à força das suas casas.
A situação mais problemática registava-se na província de Korça, junto à fronteira com a Grécia, onde o terreno montanhoso dificultava o trabalho dos bombeiros.
Os incêndios florestais estão igualmente a causar preocupação em Espanha, onde um fogo lavrava sem controlo desde ontem na região de Les Useres (Castellón), apesar dos esforços dos bombeiros, que estavam a ser apoiados por meios aéreos. O fogo terá sido causado por descuido nos trabalhos de reparação de uma estrada.
SAIBA MAIS
7 incendiários foram detidos no último fim-de-semana, elevando para 33 o número de suspeitos de fogo posto presos desde Junho.
800 bombeiros estão desde sexta-feira envolvidos no combate às chamas, que assolaram principalmente a Península do Peloponeso e a ilha de Eubéia.
CONTESTAÇÃO
Já em Junho, quando a Grécia foi afectada por outra vaga de incêndios, se registou uma forte contestação popular contra a actuação do governo.
ELEIÇÕES
Os gregos vão às urnas no próximo dia 16 de Setembro, mas as sondagens indicam que o governo não deverá ser muito penalizado.
Ver comentários