Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
4

IRAQUE FALHOU TESTE

Os Estados Unidos e o Reino Unido preparam-se para declarar que o Iraque violou a resolução 1441 das Nações Unidas ao apresentar um relatório “omisso” e “incompleto” sobre o seu armamento químico, biológico e nuclear.
19 de Dezembro de 2002 às 00:41
O incumprimento da resolução é razão suficiente para lançar uma campanha militar contra o regime de Bagdad, mas Bush e Blair deverão adoptar, para já, uma resposta moderada, para não prejudicar o trabalho dos inspectores internacionais no terreno e reunir mais provas contra Saddam Hussein.

O presidente George W. Bush reuniu-se ontem à tarde com os seus conselheiros de Segurança Nacional para analisar a resposta dos EUA ao relatório iraquiano, que a Casa Branca considera conter “graves omissões”, nomeadamente, no que diz respeito ao paradeiro de ogivas de gás mostarda e outras armas de destruição em massa.

Ao mesmo tempo, do outro lado do Atlântico, o ministro britânico dos Negócios Estrangeiros, Jack Straw, afirmava que o relatório iraquiano “não engana ninguém” e contém “falsidades óbvias.”
“O Iraque falhou o teste e vamos dizê-lo de forma clara”, afirmou uma fonte da Casa Branca, prometendo para hoje ou amanhã uma tomada de posição oficial. A resposta americana não deverá, no entanto, passar pela declaração de que o Iraque está em “violação material” da Resolução 1441 da ONU.

Os EUA preferem que sejam os inspectores internacionais a dizê-lo e, por isso, irão permitir que estes prossigam o seu trabalho até encontrarem provas concretas e inequívocas contra o regime de Saddam. Um possível ponto de ruptura poderá ser, pensam os EUA, a altura em que os inspectores tentarem trazer cientistas iraquianos para interrogatórios fora do país, algo que o regime de Bagdad não deverá aceitar. Estaria, assim, encontrada a justificação ideal para acusar Bagdad de violar a resolução da ONU.

PREPARATIVOS PARA A GUERRA

ARMAMENTO

O ministério britânico da Defesa fretou um navio para transportar armamento pesado e munições para a região do Golfo, em preparação para um eventual ataque ao Iraque. As fábricas de armamento foram também notificadas para intensificar a produção.

TREINO

Os EUA vão ministrar treino militar na Hungria a cerca de três mil exilados iraquianos que, em caso de invasão, serão usados como guias e tradutores pelos soldados americanos e britânicos. Esta força ajudará ainda a criar a nova administração civil pós-Saddam.

OBSTÁCULOS

O Exército iraquiano está a colocar barreiras de cimento e outros obstáculos nas pistas de pequenos aeroportos e bases aéreas remotas no interior do país, para evitar que sejam usadas pelos EUA durante uma eventual invasão. O objectivo é dificultar o envio de reforços.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)