Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
8

Israel rejeita governo de coligação palestiniano

O novo governo de unidade nacional formado pelas duas facções rivais palestinianas, Hamas e Fatah, foi rejeitado taxativamente por Israel, que espera da comunidade internacional atitude idêntica. Mas alguns países europeus, a título individual, e a União Europeia (UE) saudaram a coligação, considerando-a um passo para a pacificação nos territórios palestinianos e a melhoria de relações com o Estado hebraico.
19 de Março de 2007 às 00:00
Apoiantes da Fatah saúdam de forma agressiva a formação do novo governo palestiniano
Apoiantes da Fatah saúdam de forma agressiva a formação do novo governo palestiniano FOTO: Nayef Hashlamoun, Reuters
O primeiro-ministro de Israel, Ehud Olmert, afirmou que a nova plataforma governativa “inclui elementos inaceitáveis para Israel e para a comunidade internacional”. Um desses elementos é a persistência do não reconhecimento do direito de Israel a existir como Estado. Para Olmert, a plataforma para negociações com o poder palestiniano implica, além do reconhecimento de Israel, a renúncia ao terrorismo e o respeito pelos acordos firmados no passado. O gabinete israelita aprovou o boicote ao governo palestiniano por 19 votos contra dois e instou a comunidade internacional a não levantar o embargo em vigor até os palestinianos se comprometerem a respeitar as pré-condições israelitas.
No entanto, a UE saudou a coligação e instou palestinianos e israelitas a darem desde já passos no sentido da reaproximação. “A UE insta o novo governo a dar passos para a libertação do soldado israelita raptado e também apela à imediata libertação dos ministros e deputados palestinianos detidos em Israel.” A Noruega, por seu lado, anunciou desde já o fim das sanções.
Os EUA reagiram de forma mais cautelosa e teceram críticas. Nancy Beck, porta-voz do Departamento de Estado, classificou como “uma desilusão” os comentários de Ismail Haniyeh, primeiro-ministro palestiniano e membro do Hamas, que reafirmou que a resistência “é um direito legítimo do povo palestiniano”.
DESENVOLVIMENTOS
MODERADOS
Os EUA vão manter congelada a ajuda aos palestinianos mas manterão contactos com os membros moderados da nova administração, isto é, os não pertencentes ao partido integrista Hamas.
REUNIÃO
O presidente e o primeiro-ministro palestinianos, Mahmoud Abbas e Ismail Haniyeh, presidiram ontem à primeira reunião do novo governo, criado para pôr fim ao embargo internacional.
NOMEAÇÃO
Após a formação do governo conjunto, o presidente Mahmoud Abbas nomeou Mohammad Dahlan – inimigo jurado do Hamas – para supervisionar as forças de segurança palestinianas.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)