Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
6

Japão lança alerta para possíveis novos tsunamis (COM FOTOGALERIA)

A tensão continua elevada, um dia depois do forte sismo, seguido de um violento tsnumai: a televisão pública japonesa emitiu este sábado um novo alerta para a possibilidade de ocorrerem novas ondas gigantes.
12 de Março de 2011 às 16:30
Ondas gigantes espalharam destruição em Natori
Primeiro-ministro Naoto Kan estava na câmara superior do parlamento nipónico quando sentiu o terramoto
Ondas de dez metros fizeram com que a água avançasse na zona de Natori, levando tudo à sua frente
Ruas da capital encheram-se de pessoas que fugiam dos edifícios
Noite está a ser iluminada nos arredores de Tóquio pelas chamas que saem dos reservatórios de gás natural em Chiba
Reservatórios de gás natural de Chiba, nos arredores de Tóquio, começaram a arder
Trânsito na capital japonesa foi ainda mais caótico do que já é habitual, dificultando a vida aos peões
Autoridades foram para a rua, assegurando a manutenção da ordem
Fotografia aérea mostra efeito do tsunami no aeroporto de Sendai
Dois sismólogos britânicos observam registo da força com que a terra tremeu no Japão
Tóquio foi menos afectada, mas os seus habitantes apressaram-se a acorrer aos supermercados por temerem a escassez de comida
Redes de telemóvel ficaram afectadas, o que dificultou a missão de contactar os familiares
Incêndios em Natori alargaram-se às zonas residenciais
Comboios parados e redes de telemóvel sobrecarregados motivaram longas filas junto aos telefones públicos
Depois do terramoto deflagraram incêndios em vários pontos de Tóquio
Maior impacto ocorreu no nordeste do país, como se vê pelo colapso do tecto desta livraria na cidade de Sendai
Automóveis e pequenos aviões ficaram no meio dos destroços em Sendai
Ondas gigantes espalharam destruição em Natori
Primeiro-ministro Naoto Kan estava na câmara superior do parlamento nipónico quando sentiu o terramoto
Ondas de dez metros fizeram com que a água avançasse na zona de Natori, levando tudo à sua frente
Ruas da capital encheram-se de pessoas que fugiam dos edifícios
Noite está a ser iluminada nos arredores de Tóquio pelas chamas que saem dos reservatórios de gás natural em Chiba
Reservatórios de gás natural de Chiba, nos arredores de Tóquio, começaram a arder
Trânsito na capital japonesa foi ainda mais caótico do que já é habitual, dificultando a vida aos peões
Autoridades foram para a rua, assegurando a manutenção da ordem
Fotografia aérea mostra efeito do tsunami no aeroporto de Sendai
Dois sismólogos britânicos observam registo da força com que a terra tremeu no Japão
Tóquio foi menos afectada, mas os seus habitantes apressaram-se a acorrer aos supermercados por temerem a escassez de comida
Redes de telemóvel ficaram afectadas, o que dificultou a missão de contactar os familiares
Incêndios em Natori alargaram-se às zonas residenciais
Comboios parados e redes de telemóvel sobrecarregados motivaram longas filas junto aos telefones públicos
Depois do terramoto deflagraram incêndios em vários pontos de Tóquio
Maior impacto ocorreu no nordeste do país, como se vê pelo colapso do tecto desta livraria na cidade de Sendai
Automóveis e pequenos aviões ficaram no meio dos destroços em Sendai
Ondas gigantes espalharam destruição em Natori
Primeiro-ministro Naoto Kan estava na câmara superior do parlamento nipónico quando sentiu o terramoto
Ondas de dez metros fizeram com que a água avançasse na zona de Natori, levando tudo à sua frente
Ruas da capital encheram-se de pessoas que fugiam dos edifícios
Noite está a ser iluminada nos arredores de Tóquio pelas chamas que saem dos reservatórios de gás natural em Chiba
Reservatórios de gás natural de Chiba, nos arredores de Tóquio, começaram a arder
Trânsito na capital japonesa foi ainda mais caótico do que já é habitual, dificultando a vida aos peões
Autoridades foram para a rua, assegurando a manutenção da ordem
Fotografia aérea mostra efeito do tsunami no aeroporto de Sendai
Dois sismólogos britânicos observam registo da força com que a terra tremeu no Japão
Tóquio foi menos afectada, mas os seus habitantes apressaram-se a acorrer aos supermercados por temerem a escassez de comida
Redes de telemóvel ficaram afectadas, o que dificultou a missão de contactar os familiares
Incêndios em Natori alargaram-se às zonas residenciais
Comboios parados e redes de telemóvel sobrecarregados motivaram longas filas junto aos telefones públicos
Depois do terramoto deflagraram incêndios em vários pontos de Tóquio
Maior impacto ocorreu no nordeste do país, como se vê pelo colapso do tecto desta livraria na cidade de Sendai
Automóveis e pequenos aviões ficaram no meio dos destroços em Sendai

Cerca de 9.500 pessoas, metade da população da localidade de Minamisanriku, na província de Miyagi, continuam desaparecidas, informaram igualmente as autoridades do país. A população total de Minamisanriku é de 17 mil pessoas.   

As equipas de socorro - que já resgataram 3.000 pessoas - procuram sobreviventes em casas destruídas, águas lamacentas e incêndios provocados pelo sismo de 8.9 na escala de Richter, e consequente tsunami que varreu bairros inteiros ao longo da costa japonesa.  

A cadeia de televisão pública NHK anunciou que 900 pessoas morreram e mais de 700 estão desaparecidas, e este balanço deverá aumentar. Já a Organização Mundial de Saúde confirmou a morte de 621 pessoas na sequência da catástrofe.

Além do desastre ter afectado os caminhos de ferro e transportes rodoviários,  mais de 23 mil pessoas ficaram bloqueadas no aeroporto de Tóquio, e seis milhões de casas - que representam mais de 10 por cento do país - ficaram sem electricidade.

japão sismo tsunami catástrofe tragédia mortes
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)