Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
3

Jesus Negro comeu pedaços das vítimas

Chama-se a si próprio ‘Jesus Negro’. Andava pelas aldeias da Papua-Nova Guiné armado com uma faca, que dizia ser ‘mágica’, e com uma Bíblia rasgada na mão, chegando a convencer mais de seis mil pessoas a segui-lo.
17 de Março de 2007 às 00:00
Passou a estar na mira da polícia quando violou e matou pelo menos três raparigas num sórdido ritual de sacrifício, em que bebeu o sangue das vítimas e comeu partes dos seus corpos. Perante a ineficácia das autoridades, a aldeia de Matepi armou-lhe uma cilada e apanhou-o.
Quando há cerca de duas semanas o canibal, que dá pelo nome de Steven Tari, apareceu na aldeia de Matepi, os habitantes convenceram--no a permanecer mais tempo com eles. É que o ‘Jesus Negro’ não costumava assentar arraiais, hábito, aliás, que dificultava a sua captura pela polícia. Mas desta vez fez a vontade aos aldeões. E, quando se recolheu na cabana para descansar, um grupo de aldeões entrou, atacou-o e amarrou-o. A mensagem da captura foi-se espalhando de aldeia em aldeia, até que alguém com um telemóvel comunicou à polícia.
Os agentes não tardaram a chegar à aldeia e encontraram o canibal, vestido de tanga, atado e espancado. Desta vez, os seus guarda-costas, armados com arco e flechas, não vieram socorrê-lo como em anteriores perseguições policiais. Foi levado para a esquadra, onde uma multidão o esperava para o insultar.
Refira-se que Steven Tari, de 35 anos, era seminarista, mas não chegou a concluir os seus estudos. Tinha muitos seguidores e chegou a convencer a mãe de uma das vítimas que matou a beber o sangue da filha num ritual macabro. Agora os aldeões podem dormir em paz.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)