Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
3

Kickboxer espanca mulher até à morte

Profissional espancou mulher "infiel" durante cinco horas seguidas. Vítima morreu no hospital dois dias depois.
Daniela Espírito Santo 20 de Novembro de 2017 às 16:29
A vítima e o agressor, no dia de casamento
A vítima e o agressor, no dia de casamento
A vítima e o agressor, no dia de casamento
A vítima e o agressor, no dia de casamento
A vítima e o agressor, no dia de casamento
A vítima e o agressor, no dia de casamento
Uma mulher chinesa foi espancada até à morte pelo marido em casa. O profissional de kickboxing, com 32 anos, terá, alegadamente, apanhado a mulher, de 27, a traí-lo e não conseguiu controlar a raiva, batendo-lhe durante cinco horas seguidas. 

A mulher, já inconsciente, foi levada para um hospital em Sichuan pela mãe do agressor, que mora no mesmo prédio e ouviu os gritos de desespero da nora e a tentou acudir.

Estava coberta de nódoas negras e inchadas e os médicos tinham poucas esperanças que sobrevivesse às pancadas que levou na cabeça. Acabou por morrer dois dias depois, consequência das graves lesões cerebrais causadas pelo espancamento. Se tivesse sobrevivido, passaria o resto da vida em estado vegetativo. 

Segundo avança o Daily Mail, o homem estaria sob a influência de drogas no momento do ataque, que aconteceu no apartamento onde ambos moravam. Foi detido pelas autoridades após uma perseguição que durou horas. 

Perante a Justiça, admitiu ter dado inúmeros socos à mulher, bem como a utilização de um espanador e de um estojo de uma espada para a magoar, pois não admitia que esta o traísse.

"Durante o espancamento, a mão dele ficou deslocada, mas ele voltou a colocá-la no lugar e continuou a bater-lhe", relata a polícia.

A jovem deixa um filho pequeno, de apenas 17 meses. A criança está ao cuidado dos pais da vítima, que não escondem o choque com a maneira como a filha morreu. "Acho que o que ele fez não é humano. Espancar uma pessoa até à morte é a coisa mais cruel", lamenta o pai da vítima. 
Sichuan Daily Mail Justiça questões sociais
Ver comentários