Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
8

Kumba Ialá proclama-se presidente da República

O antigo presidente da Guiné-Bissau Kumba Ialá autoproclamou-se ontem presidente da República, afirmando que vai terminar o seu mandato de cinco anos, interrompido por um golpe de Estado em 2003.
16 de Maio de 2005 às 00:00
Ialá baseou-se no facto de o Supremo Tribunal ter considerado nula a sua carta de renúncia, e afirma agora que as eleições presidenciais de 19 de Junho são um caso “que se verá mais tarde”.
“Uma vez decidido o caso no Tribunal, decidi dirigir-me ao povo da Guiné-Bissau para revogar publicamente a carta de renúncia e, consequentemente, reassumir o cargo de presidente da República”, afirmou Ialá, lembrando que o Supremo reconheceu ter havido coacção na altura da assinatura da renúncia.
“O meu mandato não terminou e tenciono cumpri-lo até ao fim”, afirmou, não adiantando quando pretende voltar formalmente à presidência da República. Hoje, explicou, “será um dia de reflexão” e amanhã será realizada “uma manifestação de apoio ao retomar do poder”.
Durante a sua declaração política, o líder guineense apelou à comunidade internacional para ser “parte da solução e não do problema”.
Este anúncio, proferido a partir de sua casa, foi saudado por uma pequena multidão de apoiantes que se concentrou no local, transformando a conferência de Imprensa num pequeno comício.
Não houve, de imediato, reacções ao anúncio, tendo apenas o líder do PAIGC, Malam Bacai Sanhá, lamentado as declarações. “O Kumba não é a lei. Por isso estou confiante que haverá eleições”, afirmou.
O presidente interino, Henrique Rosa, não comentou o incidente, afirmando apenas, durante um evento oficial, que espera do dia 19 de Junho (dia das eleições) que “seja um dia de paz e democracia”.
Contactado pelo ‘Correio da Manhã’, Carneiro Jacinto, porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros português, limitou-se a afirmar que se tratou apenas de “uma declaração do senhor Kumba Ialá que carece de desenvolvimentos”.
Em Bissau o ambiente era ontem pacífico, embora dois veículos da Polícia de Intervenção Rápida, com cerca de 10 elementos cada um, percorressem as ruas da cidade.
A situação deverá ser hoje esclarecida, mas sabe-se que sem um apoio do Exército dificilmente Ialá poderá fazer vingar a sua posição, considerada por alguns constitucionalistas como absurda, pois a carta de renúncia, forçada ou não, abriu um novo ciclo político que não poderá ser interrompido em violação das normas constitucionais.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)