Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo

Lagarde não tem piedade da Grécia

A directora-geral do FMI, a francesa Christine Lagarde, lançou achas para a fogueira que queima a Grécia ao afirmar-se "mais preocupada com as crianças do Níger do que com as gregas", pois estas têm pais que devem ajudá-las. Desde logo, "pagando os impostos", algo, sublinhou, "de que estão constantemente a tentar escapar".
27 de Maio de 2012 às 01:00
Lagarde afirmou em entrevista que os gregos são culpados pela crise que enfrentam
Lagarde afirmou em entrevista que os gregos são culpados pela crise que enfrentam FOTO: Dominick Reuter/Reuters

As declarações, surgidas numa entrevista ao jornal britânico ‘The Guardian', são uma considerável mudança de discurso de uma mulher que há bem pouco tempo defendia que a Grécia precisava de mais tempo e de mais dinheiro para recuperar. Agora, não só não se mostra preocupada com a pobreza que ameaça as famílias gregas, como sublinha que o FMI não suavizará as condições de austeridade impostas à Grécia.

"Penso que têm de se ajudar a si mesmos colectivamente", afirmou, dizendo que quando pensa no país pensa "em todas aquelas pessoas que tentam fugir" às responsabilidades fiscais.

As declarações de Lagarde surgem numa altura em que se multiplicam notícias na Alemanha e França sobre preparativos para a saída da Grécia da Zona Euro após a repetição das eleições, no dia 17 de Junho.

Recorde-se que o alerta foi acentuado com o favoritismo da coligação de esquerda radical Syriza, que quer rasgar o acordo de austeridade. Mas novas sondagens colocam na frente a europeísta Nova Democracia, com 25 a 27%, contra 20 a 26% do Syriza. Vença quem vencer, Lagarde não faz juízos: "Os eleitores não erram se votam em consciência."

LAGARDE GRÉCIA IMPOSTOS FMI UNIÃO EUROPEIA
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)