Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
3

Lei de Israel permite às autoridades identificar os não vacinados contra a Covid-19

Alguns locais estão abertos a todos, outros são acessíveis apenas a pessoas com o "emblema verde", significando que receberam a segunda dose da vacina.
Lusa 24 de Fevereiro de 2021 às 22:51
Vacinação em Israel
Israel vai saindo gradualmente do seu terceiro confinamento
Vacinação em Israel
Israel vai saindo gradualmente do seu terceiro confinamento
Vacinação em Israel
Israel vai saindo gradualmente do seu terceiro confinamento

O Parlamento israelita autorizou esta quarta-feira o Ministério da Saúde a comunicar às autoridades do país as identidades de pessoas não vacinadas contra a covid-19, levantando preocupações sobre a privacidade dos cidadãos que recusam a vacina.

Uma lei aprovada com 30 votos a favor e 13 contra dá às autoridades locais, ao diretor-geral do Ministério da Educação e a alguns membros do Ministério dos Assuntos Sociais a possibilidade de obter os nomes, endereços e números de telefone de pessoas não vacinadas.

O propósito deste texto, válido por três meses ou até que a pandemia seja declarada terminada, é "permitir que essas organizações encorajem as pessoas a serem vacinadas falando com elas pessoalmente", de acordo com um comunicado do Parlamento.

Israel administrou as duas doses da vacina Pfizer-BioNTech a três milhões de pessoas, cerca de um terço da população estimada de nove milhões de habitantes.

O Estado hebraico reabriu centros comerciais e lojas de rua para toda a população no domingo, como parte do seu terceiro desconfinamento desde o início da pandemia de covid-19.

Enquanto alguns locais estão abertos a todos, outros são acessíveis apenas a pessoas com o "emblema verde", significando que receberam a segunda dose da vacina há pelo menos uma semana ou que se recuperaram da doença.

Mas esse precioso símbolo é criticado por uma parte da população que o vê como uma forma de discriminação contra os não vacinados.

Durante o debate parlamentar de hoje, o líder do Partido Trabalhista, Merav Michaeli, acusou o primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, de "negar aos cidadãos o direito à confidencialidade sobre as suas informações médicas".

Segundo o Parlamento, os dados pessoais não podem ser utilizados para outros fins que não o de encorajar as pessoas a serem vacinadas.

O deputado Haim Katz, do partido de direita Likud, do primeiro-ministro, defendeu a lei como uma forma de promover a vacinação.

Hoje à noite (hora local) Netanyahu pediu aos cidadãos israelitas que fossem vacinados para "poderem voltar à vida normal", acrescentando que a meta do país é ter 6,2 milhões de pessoas imunizadas até abril.

"Mais de um milhão de adultos ainda não foram vacinados… No mundo, as pessoas estão à espera de vacinas, aqui as vacinas estão à espera de pessoas", lamentou Netanyahu, em conferência de imprensa.

Desde o início da pandemia, mais de 760.000 casos de covid-19 foram oficialmente registados em Israel, incluindo mais de 5.600 mortes.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.486.116 mortos no mundo, resultantes de mais de 112 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Mais informação sobre a pandemia no site dedicado ao coronavírus - Mapa da situação em Portugal e no Mundo. - Saiba como colocar e retirar máscara e luvas - Aprenda a fazer a sua máscara em casa - Cuidados a ter quando recebe uma encomenda em casa. - Dúvidas sobre coronavírus respondidas por um médico Em caso de ter sintomas, ligue 808 24 24 24
Israel Covid-19 Parlamento Ministério da Saúde saúde medicina preventiva
Ver comentários