Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
9

Levantado o alerta de tsunami no Havai

O alerta de tsunami emitido para o estado do Havai após um sismo na costa ocidental do Canadá foi levantado este Domingo às 11 horas (hora de Lisboa), após as ondas registadas terem sido mais pequenas do que o previsto.
28 de Outubro de 2012 às 12:14
O alerta de tsunami emitido para o estado do Havai após um sismo na costa ocidental do Canadá foi levantado
O alerta de tsunami emitido para o estado do Havai após um sismo na costa ocidental do Canadá foi levantado FOTO: d.r.

" Com base em toda a informação disponível, a ameaça de tsunami diminuiu e não se espera que aumente", disse o Centro de Alerta de Tsunamis do Pacífico, sedeado no Havai.

A maior onda nos primeiros 45 minutos do tsunami media apenas 1,5 metros, em Maui, disse o geólogo Gerard Fryer, que está a monitorizar o tsunami desde o Centro de Alerta de Tsunamis do Pacífico.

O governador do Havai, Neil Abercrombie, disse hoje que o estado escapou a ondas mais severas, mas informou que as praias e os portos continuam encerrados em todo o estado.

Entretanto, o Serviço Nacional de Meteorologia cancelou os avisos que mantinha sobre o Canadá e o estado norte-americano de Oregon, deixando o norte da Califórnia como a única zona ainda sob aviso.

Inicialmente, as autoridades disseram que o Havai não estava em risco de tsunami após o sismo de magnitude 7,7 que abalou a costa ocidental da América do Norte no sábado à noite, tendo emitido alertas de tsunami apenas para o sul do Alasca e para o oeste canadiano.

Mais tarde, emitiram um alerta de tsunami também para o Havai e um aviso mais brando para 724 quilómetros de costa norte-americana - entre São Francisco e o estado do Oregon.

O alerta de tsunami no Havai levou os residentes a abastecer-se de bens essenciais nas lojas e estações de combustível e os turistas nos hotéis à beira-mar a procurar os pisos mais altos nos seus edifícios.

O governador Neil Abercrombie declarou o estado de emergência e mobilizou medidas de segurança enquanto o presidente da câmara de Honolulu, Peter Carlisle, pediu às pessoas que se afastassem das ondas por vários dias e que tivessem cuidado.

"Não há razão para entrar em pânico, mas há todos os motivos para se ter todas as precauções necessárias", disse então o autarca.

A guarda costeira fechou todos os portos no estado e apelou aos navios que se fossem embora e não voltassem até terem indicação para isso.

"Não temos qualquer registo de impactos do tsunami até agora, mas alertámos os marinheiros de que as ondas podem continuar por várias horas", disse o responsável da guarda costeira, Gene Maestas.

Em Kauai, três escolas transformadas em centros de evacuação ficaram rapidamente lotadas.

No Alasca, as ondas atingiram 10 centímetros, muito menos do que previsto, segundo Jeremy Zidek, porta-voz do departamento estadual de segurança e emergência.

O sismo, de magnitude 7,7, foi sentido na costa ocidental do Canadá, mas não há registo de danos graves e, embora partes da Colúmbia Britânica tenham sido evacuadas, a província parece ter escapado praticamente ilesa ao maior sismo no país desde 1970.

O Centro de Investigação Geológica norte-americano informou que o sismo abalou as ilhas da Rainha Carlota após as 20:00 locais de sábado (3:00 de domingo em Lisboa) e teve origem a uma profundidade de cinco quilómetros e 155 quilómetros a sul de Masset, Colúmbia Britânica.

Foi sentido numa vasta área da província, tanto no continente como nas ilhas do Pacífico.

Canadá Tsunami Havai
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)