Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
7

Mãe cozinha filha bebé no churrasco

Corpo da menina foi encontrado parcialmente carbonizado.
Pedro Zagacho Gonçalves 27 de Setembro de 2017 às 19:06
Corpo da menina foi encontrado no barbecue
Corpo da menina foi encontrado no barbecue
Corpo da menina foi encontrado no barbecue
Corpo da menina foi encontrado no barbecue
Corpo da menina foi encontrado no barbecue
Corpo da menina foi encontrado no barbecue

Os restos mortais parcialmente carbonizados de uma bebé de dois anos foram encontrados no barbecue de uma casa em Zemst, a norte de Bruxelas, na Bélgica. Foi a mãe da menina que a queimou, ao que tudo indica, ainda viva.

Foram os vizinhos a dar o alerta para o caso, depois de terem ouvido os gritos da bebé, ao que se seguiu uma coluna de fumo negro e um cheiro a queimado intenso.

Quando as equipas de socorro chegaram ao local encontraram a menina já morta, com três quartos do corpo completamente carbonizados. A mãe da criança planeava pegar fogo a sim mesma em seguida. Foi detida pelas autoridades e limitou-se a dizer que as duas tinham que ser queimadas vivas para irem "juntas para o Céu".

A mulher foi levada para um hospital local para ser assistida por inalação de fumos. As autoridades estão a investigar agora se as declarações da mãe são de facto verdadeiras e se a menina foi mesmo queimada viva.

Já foi feita uma autópsia ao corpo da bebé, mas os resultados não foram ainda divulgados. A mãe da criança está a ser acompanhada por psiquiatras, que estão a avaliar se a mulher sofre de distúrbios mentais.

"É muito difícil saber exatamente o que passa pela cabeça das pessoas nestes casos. Ela disse que pegou fogo à filha porque só os corpos cremados vão para o Céu, e isto, à primeira vista, é um sinal de problemas psiquiátricos. Tendo feito este comentário, e se de facto há verdade nele, é possível que sofra de distúrbios mentais. Não é garantido, mas é algo a ter em conta durante o decorrer da investigação", explica o psiquiatra Hans Hellebuyck.

Zemst Bruxelas Bélgica Céu Hans Hellebuyck questões sociais saúde
Ver comentários