Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
2

Maioria absoluta para o partido de Macron

Vitória ensombrada: 57% dos 47 milhões de eleitores não votaram.
Francisco J. Gonçalves 19 de Junho de 2017 às 01:38
Macron confirmou este domingo a maioria absoluta que a primeira volta das legislativas antecipava para o seu partido
Emmanuel Macron e a mulher, Brigitte, exercem o seu direito de voto
Macron, presidente da república francesa
Macron confirmou este domingo a maioria absoluta que a primeira volta das legislativas antecipava para o seu partido
Emmanuel Macron e a mulher, Brigitte, exercem o seu direito de voto
Macron, presidente da república francesa
Macron confirmou este domingo a maioria absoluta que a primeira volta das legislativas antecipava para o seu partido
Emmanuel Macron e a mulher, Brigitte, exercem o seu direito de voto
Macron, presidente da república francesa
A segunda volta das eleições legislativas francesas confirmou ontem uma esmagadora maioria absoluta do partido República em Marcha, criado há cerca de um ano pelo novo presidente da França, Emmanuel Macron. Mas a vitória fica ensombrada pela elevada abstenção, que supera mesmo o recorde negativo da primeira volta. Se no dia 11 se tinha fixado em 51%, agora subiu para cerca de 57%.

Em 2012, a abstenção na segunda volta foi de 44,5%.

Macron vence de forma esmagadora, mas aquém das previsões, que lhe davam 470 deputados. As projeções apontavam ontem para cerca de 360 deputados do República em Marcha, num parlamento de 577 lugares.

O principal partido da oposição, Os Republicanos, do antigo presidente Nicolas Sarkozy, perde 70 deputados e fica-se pelos 126. Mas o grande derrotado, como se previa, é o Partido Socialista, que elege um máximo de 47 deputados (tinha 273). A derrota, pior do que os 57 eleitos de 1993, levou à demissão de Jean-Christophe Cambadélis da chefia socialista.

A Frente Nacional, de Marine Le Pen, rival derrotada por Macron nas presidenciais, deve eleger 8 deputados (tinha apenas dois). Marine está entre os eleitos do partido.
Macron le pen frança. eleições
Ver comentários