Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
4

Maltrata, deixa filho à fome e dá-o de comer aos porcos

Menino de sete anos foi encontrado pela polícia cerca de dois meses após a morte.
Catarina Correia Rocha 10 de Maio de 2017 às 18:57
Maltrata, deixa filho à fome e dá-o de comer aos porcos
Maltrata, deixa filho à fome e dá-o de comer aos porcos
Maltrata, deixa filho à fome e dá-o de comer aos porcos
Maltrata, deixa filho à fome e dá-o de comer aos porcos
Maltrata, deixa filho à fome e dá-o de comer aos porcos
Maltrata, deixa filho à fome e dá-o de comer aos porcos
Maltrata, deixa filho à fome e dá-o de comer aos porcos
Maltrata, deixa filho à fome e dá-o de comer aos porcos
Maltrata, deixa filho à fome e dá-o de comer aos porcos
Maltrata, deixa filho à fome e dá-o de comer aos porcos
Maltrata, deixa filho à fome e dá-o de comer aos porcos
Maltrata, deixa filho à fome e dá-o de comer aos porcos
Maltrata, deixa filho à fome e dá-o de comer aos porcos
Maltrata, deixa filho à fome e dá-o de comer aos porcos
Maltrata, deixa filho à fome e dá-o de comer aos porcos
Maltrata, deixa filho à fome e dá-o de comer aos porcos
Maltrata, deixa filho à fome e dá-o de comer aos porcos
Maltrata, deixa filho à fome e dá-o de comer aos porcos

Um pai norte-americano foi condenado por ter maltratado e deixado o filho morrer à fome, tendo depois dado os restos mortais da criança aos porcos para comerem. Michael Jones, de 46 anos, vai cumprir pena que pode ir dos 25 anos de prisão a perpétua.

Adrian, de sete anos, foi descoberto pelas autoridades em novembro de 2015 na propriedade em que vivia com o pai e a madrasta. A polícia foi chamada para resolver uma disputa familiar mas, quando chegaram à habitação, encontraram um cenário macabro.

A criança estaria já morta há cerca de dois meses. Foi obrigado a sobreviver com tábuas de cozinha agarradas ao corpo "para se manter direito" e a ficar horas durante a noite dentro de uma piscina com água gelada até ao pescoço.

Enquanto maltratava a criança, Michael Jones fazia questão de filmar tudo através de 30 câmaras de videovigilância espalhadas pela propriedade. Chegou mesmo a instalar alarmes nos locais onde guardava a comida para se assegurar que Adrian não se alimentava.

Após a morte da criança, os seus restos mortais foram dados de comer aos porcos da propriedade.

A madrasta da criança também foi condenada por maus-tratos ao pequeno Adrian. Apesar de ter referido em tribunal que sentia que tinha a obrigação de defender a criança, os investigadores provaram que a mulher tinha igualmente tomado parte nos abusos a que esta foi sujeita. 

Michael Jones Adrian questões sociais maus-tratos porcos
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)