Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
5

Milhões ignoram a pandemia nas praias brasileiras

Utilização de máscaras foi ignorada e a proibição de ajuntamentos não foi respeitada.
Domingos Grilo Serrinha e correspondente no Brasil 7 de Setembro de 2020 às 08:37
Milhões ignoram a pandemia nas praias brasileiras
Milhões ignoram a pandemia nas praias brasileiras FOTO: António Lacerda/Lusa

Desprezando o alto risco de contraírem coronavírus, ainda mais no terceiro país do mundo em casos - quatro milhões de infetados e 126 mil óbitos -, multidões encheram praias, bares e centros comerciais por todo o Brasil. Ignorando as recomendações para uso de máscara e para evitar ajuntamentos, milhões de brasileiros aproveitaram o calor de mais de 30 graus fora de época e desfrutaram do fim de semana prolongado do Dia da Independência, que esta segunda-feira é comemorado.

Em São Paulo, mais de um milhão e meio de pessoas enfrentaram congestionamentos de horas para irem até às cidades do litoral, mesmo com o pedido das autoridades para não o fazerem, e outras tantas viajaram para o interior. Nas praias de Santos, no litoral sul, e de Ubatuba e Caraguatatuba, no litoral norte, hotéis e pousadas chegaram aos 97% de ocupação, e multidões ‘enlouquecidas’ após meses de confinamento ocuparam os areais, apesar de ainda ser proibido. Poucas pessoas usavam máscara ou mantinham distanciamento, e nem ligaram aos polícias que, no meio da multidão e com megafones, pediam em vão para todos se retirarem.

No Rio de Janeiro, os mais de 70 quilómetros de praias literalmente desapareceram sob uma incontável multidão de homens, mulheres e crianças, e os poucos fiscais da câmara que tentavam tirar toda a gente dali tiveram o mesmo insucesso do que os polícias de São Paulo. Apesar de tudo, não se registaram prisões, nem em São Paulo, nem no Rio de Janeiro, nem na famosa Jericoacoara, no litoral do estado do Ceará, onde os hotéis chegaram aos 100% de ocupação permitida, situação repetida por todo o Brasil.

Quem não se deslocou para as praias abarrotou os centros comerciais, em particular os de São Paulo, onde um número acima do permitido entrou porque os seguranças não conseguiram conter a multidão.

PORMENORES
Fiscais maltratados
Fiscais foram hostilizados ao tentarem reduzir ajuntamentos em bares do boémio bairro da Vila Madalena, em São Paulo. Na mesma cidade, uma idosa, que seguia num comboio, foi esbofeteada por pedir a outra mulher que colocasse a máscara.

Bebidas e conversa
No Leblon, elegante bairro na zona sul do Rio de Janeiro, tal como aconteceu um pouco por todo o Brasil, clientes encheram os bares e provocaram enormes ajuntamentos do lado de fora, a beberem e a conversarem. Mais uma vez, a utilização da máscara não foi respeitada.
Mais informação sobre a pandemia no site dedicado ao coronavírus - Mapa da situação em Portugal e no Mundo. - Saiba como colocar e retirar máscara e luvas - Aprenda a fazer a sua máscara em casa - Cuidados a ter quando recebe uma encomenda em casa. - Dúvidas sobre coronavírus respondidas por um médico Em caso de ter sintomas, ligue 808 24 24 24
Dia da Independência Brasil São Paulo Rio de Janeiro questões sociais política acidentes e desastres
Ver comentários