Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
3

Milícia de polícias e ex-polícias do Brasil fotografava vítimas antes de lhes arrancar coração com espada

Megaoperação policial descobre 'cemitério clandestino' onde eram enterrados os corpos.
Domingos Grilo Serrinha e correspondente no Brasil 6 de Julho de 2019 às 17:26
Autoridades brasileiras
Rio de Janeiro
Autoridades brasileiras
Rio de Janeiro
Autoridades brasileiras
Rio de Janeiro

Um grupo de 43 polícias e ex-polícias foi detido esta quinta-feira, na cidade brasileira de Itaboraí, na região metropolitana do Rio de Janeiro. Segundo informações preliminares avançadas pelas autoridades e Ministério Público, os suspeitos faziam parte de uma milícia armada, que operava há cerca de um ano e meio. O grupo fotografava as vítimas antes de as matar, torturava-as cortando-lhes a cabeça e arrancando-lhes o coração com uma espada.

De acordo com as autoridades, o modus operanti da milícia era baseado na extorsão de dinheiro a empresários, residentes em bairros da periferia, forçando-os a pagar uma taxa mensal por trabalhos de segurança privado, punindo severamente quem não aceitasse pagar os serviços.

As vítimas eram também forçadas a adquirir produtos e serviços em lojas da milícia, a preços bem superiores aos de mercado, como: televisão a cabo, água mineral e garrafas de gás.

Durante uma operação policial em Itaboraí, a arma foi apreendida e foi localizado uma espécie de 'cemitério clandestino', onde foram enterradas parte das vítimas. As autoridades encontraram 14 corpos, alguns em avançado estado de decomposição - ou mesmo reduzidos a ossadas.

A polícia continua a realizar buscas e acredita que terão sido assassinadas, às mãos do grupo, pelo menos 50 pessoas. Internamente, as vítimas executadas eram intituladas de "discos voadores", pois desapareciam de repente sem deixarem qualquer rasto.

Um dos cabecilhas da milícia, o ex-agente da Polícia Militar Alexandre Laubeck Geminiani, acabou por fugir ao aperceber-se que o prédio onde vive estava cercado por um forte contingente policial. O antigo políci, conhecido como "Playboy", saltou pela janela do apartamento, localizado no quarto andar do edifício, e conseguiu colocar-se em fuga.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)