Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
1

Militares portugueses ajudaram a manter segurança durante eleições na República Centro-Africana

Força, na sua maioria dos Comandos, foi destacada "com a missão de garantir a proteção de civis".
Lusa 20 de Março de 2021 às 11:07
Militares portugueses ajudaram na segurança das eleições na República Centro-Africana
Militares portugueses ajudaram na segurança das eleições na República Centro-Africana
Militares portugueses ajudaram na segurança das eleições na República Centro-Africana
Militares portugueses ajudaram na segurança das eleições na República Centro-Africana
Militares portugueses ajudaram na segurança das eleições na República Centro-Africana
Militares portugueses ajudaram na segurança das eleições na República Centro-Africana
Militares portugueses ajudaram na segurança das eleições na República Centro-Africana
Militares portugueses ajudaram na segurança das eleições na República Centro-Africana
Militares portugueses ajudaram na segurança das eleições na República Centro-Africana
Militares portugueses ajudaram na segurança das eleições na República Centro-Africana
Militares portugueses ajudaram na segurança das eleições na República Centro-Africana
Militares portugueses ajudaram na segurança das eleições na República Centro-Africana
Militares portugueses ajudaram na segurança das eleições na República Centro-Africana
Militares portugueses ajudaram na segurança das eleições na República Centro-Africana
Militares portugueses ajudaram na segurança das eleições na República Centro-Africana
Militares portugueses da 8.ª Força Nacional Destacada na República Centro-Africana (RCA) participaram nas operações de segurança nas eleições legislativas no país, em 14 de março, informou este sábado o Estado-Maior-General das Forças Armadas (EMGFA).

A força, na sua maioria dos Comandos, foi destacada para a região de Bossangoa, 300 quilómetros a Norte de Bangui, a capital, "com a missão de garantir a proteção de civis, assegurar a liberdade de movimentos e criar um ambiente seguro e estável, que permitisse uma participação efetiva da população no ato eleitoral", segundo um comunicado do EMGFA.

Não se registaram incidentes com força de reação rápida, que regressou hoje a Bangui, depois de contribuir "para que o ato eleitoral na região fosse considerado um sucesso pelas diversas autoridades", lê-se no comunicado.

A RCA caiu no caos e na violência em 2013, após o derrube do então presidente, François Bozizé, por grupos armados juntos na Séléka, o que suscitou a oposição de outras milícias, agrupadas na anti-Balaka.

Desde então, o território centro-africano tem sido palco de confrontos comunitários entre estes grupos, que obrigaram quase um quarto dos 4,7 milhões de habitantes da RCA a abandonarem as suas casas.

Portugal tem atualmente na RCA 241 militares, dos quais 183 integram a MINUSCA e 58 participam na missão de treino da União Europeia (EUTM), liderada pelo brigadeiro-general Neves de Abreu, até setembro de 2021.

 

 

Ver comentários