Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
9

Ministro da saúde turco confirma uso de gás sarin na Síria

Vestígios de gás sarin foram detetados no sangue e urina das vítimas do ataque em Idlib.
11 de Abril de 2017 às 14:50
Crianças sírias vivem horror após ataques
Crianças sírias vivem horror após ataques
Crianças sírias vivem horror após ataques
Crianças sírias vivem horror após ataques
Crianças sírias vivem horror após ataques
Crianças sírias vivem horror após ataques
Crianças sírias vivem horror após ataques
Crianças sírias vivem horror após ataques
Crianças sírias vivem horror após ataques
Crianças sírias vivem horror após ataques
Crianças sírias vivem horror após ataques
Crianças sírias vivem horror após ataques
Crianças sírias vivem horror após ataques
Crianças sírias vivem horror após ataques
Crianças sírias vivem horror após ataques
Crianças sírias vivem horror após ataques
Crianças sírias vivem horror após ataques
Crianças sírias vivem horror após ataques
Crianças sírias vivem horror após ataques
Crianças sírias vivem horror após ataques
Crianças sírias vivem horror após ataques
Análises a sangue e urina de vítimas permitiram confirmar que foi usado gás sarin no ataque da semana passada a uma cidade da província síria de Idlib, anunciou hoje o ministro da Saúde da Turquia.

Recep Akdag, citado pela agência Anadolu, precisou que análises à urina e sangue de vítimas tratadas na Turquia "confirmam que foi utilizado gás sarin", um poderoso agente neurotóxico.

Segundo Akdag, foi detetada a presença do ácido isopropil metilfosfonil, um dos elementos que "sinalizam" a utilização de sarin.

O mesmo ministro tinha anunciado na quinta-feira que exames preliminares realizados às vítimas "sugeriam que os pacientes foram expostos à substância química sarin".

Mais de 80 pessoas morreram e perto de duas centenas ficaram feridas num ataque, perpetrado na terça-feira na cidade de Khan Sheikhun, Idlib, noroeste da Síria. Cerca de 30 vítimas do ataque foram transportadas para a Turquia e pelo menos três delas acabaram por morrer.

As autoridades de saúde turcas realizaram autópsias aos três mortos, nas quais participaram peritos da Organização Mundial de Saúde (OMS) e da Organização para a Proibição das Armas Químicas (OPAQ).

A Turquia, os Estados Unidos e vários países ocidentais responsabilizam o regime sírio pelo ataque.

Médicos que chegaram ao local pouco depois do ataque registaram sintomas concordantes com a utilização de um agente neurotóxico, como falta de ar, dilatação das pupilas, convulsões e espuma na boca.

O exército americano e as forças russas que estão na Síria acreditam que as forças governamentais do país são os responsáveis pelo bombardeamento químico, que matou quase cem pessoas, entre elas muitas crianças.

O Observatório para os Direitos Humanos da Síria afirmam que o ataque foi levado a cabo por aviões de guerra pertencentes ao exército militar Sírio.

O gás sarin é um químico que causa dores inimagináveis no corpo e é praticamente impossível de detetar, até porque não tem odor ou sabor: basta as pessoas estarem expostas para serem afetadas.
Síria Sírio Observatório para os Direitos Humanos da Síria distúrbios guerras e conflitos política
Ver comentários