Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
7

‘Monstro’ suspeito de abusar da neta

A filha do ‘monstro de Amstetten’, Elisabeth, poderá não ter sido a sua única vítima. A polícia austríaca está a investigar a possibilidade de Josef Fritzl ter violado a sua filha-neta Kerstin, actualmente com 19 anos, quando deixou de se interessar sexualmente por Elisabeth.
7 de Maio de 2008 às 00:30
Autoridades continuam a fazer buscas na masmorra construída por Josef Fritzl
Autoridades continuam a fazer buscas na masmorra construída por Josef Fritzl FOTO: Herwig Prammer / Reuters

Desde o início da investigação que as autoridades suspeitam da possibilidade de Kerstin ter sido igualmente vítima de abusos sexuais na masmorra onde passou toda a vida. Filha mais velha de relação incestuosa de Fritzl com a filha – que manteve durante 24 anos fechada na cave da garagem da sua casa de Amstetten –, Kerstin está há mais de uma semana internada num hospital, em coma induzido, devido a graves problemas de saúde, consequência da permanente clausura. Por esta razão a polícia ainda não conseguiu falar com ela para confirmar ou desmentir as suspeitas, mas os investigadores admitem que os abusos possam mesmo ter acontecido, principalmente depois de Elisabeth, que envelheceu prematuramente devido aos abusos e à reclusão forçada, ter deixado de ser sexualmente atraente aos olhos do ‘monstro’.

Entretanto, um antigo funcionário de um bordel situado a cerca de 60 km de Amstetten revelou ontem que Josef Fritzl era um 'cliente habitual' do estabelecimento e que as prostitutas que ali trabalhavam 'tinham medo dele'. 'Duas das raparigas disseram que nunca mais queriam nada com ele', afirmou Christoph Flugel a uma revista. Segundo esta testemunha, as raparigas contavam que Fritzl era 'extremamente perverso' e muitas vezes pedia-lhes para se fazerem de 'mortas' durante o acto sexual.

Ver comentários