Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
9

Moradores de favela no Rio de Janeiro roubam carne congelada de camião furtado

Imagens que circulam em redes sociais brasileiras mostram populares a saquear a carga, mesmo depois da chegada da polícia.
Domingos Grilo Serrinha e correspondente no Brasil 9 de Julho de 2020 às 19:46
Moradores de favela no Rio de Janeiro roubam carne congelado de camião furtado
Moradores de favela no Rio de Janeiro roubam carne congelado de camião furtado FOTO: Twitter

Uma grande quantidade de carne congelada, que era transportada por um camião-frigorífico, foi roubada numa favela na zona norte da cidade brasileira do Rio de Janeiro depois de o veículo ter sido furtado e deixado naquele local pelos criminosos. Imagens que circulam em redes sociais brasileiras mostram populares a saquear a carga, mesmo depois da chegada da polícia.

O camião, roubado pouco antes numa outra região do bairro da Penha, foi deixado pelos ladrões num terreno da favela Kelson"s, também na zona norte da cidade. Rapidamente, um grupo de populares cerca o camião-frigorífico e começa a saquear a carga, composta por vários tipos de carne, um dos produtos que mais subiu no Brasil durante a pandemia de coronavírus.

A Polícia Militar, que tinha seguido o rasto do camião após o roubo do veículo, chegou quando os populares já levavam boa parte da carga e inicialmente não conseguiu conter os saqueadores. Só depois de efectuarem vários disparos para o ar os agentes conseguiram finalmente inibir o roubo do restante da carga do camião, enquanto os últimos saqueadores corriam desesperadamente pelas vielas da favela carregando quanto podiam.

Com a situação controlada, os agentes fizeram uma busca nas ruas mais próximas ao local onde o camião tinha sido deixado e conseguiram recuperar algumas peças de carne, que voltaram para o veículo de carga, e este foi devolvido ao proprietário. Ninguém foi preso, nem os criminosos que roubaram o camião e o deixaram na Kelson’s para que cúmplices posteriormente mudassem a carga para outros veículos e a vendessem, nem populares suspeitos de terem participado no saque.

Ver comentários