Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
3

Mortes em explosão na Venezuela sobem para 39

A explosão ocorrida na madrugada deste sábado na Refinaria Amuay, no norte da Venezuela, teve consequências mais trágicas do que o anunciado inicialmente. Segundo o vice-presidente do país, Elias Jaua, o número de mortes, anunciado inicialmente como 19 e depois aumentado para 26, já chegou a 39.
26 de Agosto de 2012 às 14:17
Grossas colunas de fumo negro cobriram toda a região da refinaria e os populosos bairros formados em seu redor, impedindo o acesso dos bombeiros a algumas áreas afectadas
Grossas colunas de fumo negro cobriram toda a região da refinaria e os populosos bairros formados em seu redor, impedindo o acesso dos bombeiros a algumas áreas afectadas FOTO: EPA

“Até este momento, a cifra é de 39 compatriotas mortos, que estão no necrotério do Hospital da Previdência Social. São 18 membros da Guarda Nacional Bolivariana, 15 civis, na maioria familiares dos guardas, e há seis corpos ainda não identificados", afirmou Jaua em comunicado no início da madrugada deste domingo. 

A essa hora, grossas colunas de fumo negro ainda cobriam toda a região da refinaria e os populosos bairros formados em seu redor, impedindo o acesso dos bombeiros a algumas áreas afectadas pelo sinistro e dificultando muito a respiração de socorristas e habitantes. De acordo com bombeiros, o fumo negro é resultado da combustão de resíduos gasosos nos grandes tanques da refinaria, e não há como chegar até eles antes que todo esse resíduo seja consumido.

Stella Lugo, governadora do estado Falcon, onde a refinaria se localiza, afirmou a jornalistas que, além das instalações do complexo de refino, pelo menos 200 casas foram destruídas pela violenta explosão. Muitas delas eram as residências de membros da Guarda Nacional responsáveis pela segurança do complexo, e em outras viviam funcionários da refinaria e seus familiares ou famílias pobres que se mudaram para a área do complexo. Pelo menos duas madeirenses e dois luso-venezuelanos estão entre os quase 100 feridos na explosão.

A maioria, pelo menos 75, já teve alta depois de atendida em hospitais da região, mas ainda há alguns internados na cidade e em cidades vizinhas, principalmente com queimaduras.

A Refinaria Amuay é uma das três que formam o Centro de Refino de Paraguaná, na península do mesmo nome, a 450 km de Caracas, a capital do país, o maior centro refinador da Venezuela e o segundo maior do mundo.

O presidente Hugo Chávez anunciou por telefone à televisão estatal que decretou luto oficial de três dias no país e a abertura de uma “profunda e rigorosa” investigação das causas da explosão, em princípio provocada por um vazamento de gás, seguido por um grande incêndio, e que sindicatos da área petrolífera já atribuiram à falta de manutenção da refinaria, segundo eles decorrente de descaso do governo.

venezuela refinaria hugo chávez explosão caracas
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)