Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
5

Mulher de canoísta irá para a prisão

A mulher do canoísta britânico que se apresentou numa esquadra da polícia londrina cinco anos após este ter sido dado como morto será presa logo que regresse ao Reino Unido, proveniente do Panamá.
8 de Dezembro de 2007 às 00:00
Anne Darwin, de 55 anos, que terá vendido a casa da família antes de ir viver, no mês passado, para o Panamá, já terá deixado aquele país da América Central e poderá chegar nas próximas horas a território britânico, onde será presa por suspeita de fraude. Anne, que, recorde-se, confessou já saber que o marido, John Darwin, de 57 anos, estava vivo, afirmou ter agido de boa-fé quando recebeu o dinheiro do seguro de vida deste. Contudo, pediu aos dois filhos que a perdoem pela sua “vida de mentira”. “Que género de mãe sou eu?” – interrogou-se.
Entretanto, foram concedidas à polícia mais 36 horas para interrogar John Darwin, que havia sido dado como morto por afogamento pela polícia britânica, após o seu caiaque ter sido encontrado desfeito numa praia de Seaton, em Março de 2002. Darwin está detido sob suspeita de fraude. Se as alegações continuarem, os filhos prometem denunciar os pais. Ontem, um vendedor de barcos assegurou que Darwin mudou de identidade durante o período em que esteve desaparecido e tentou comprar um catamarã para “navegar pelo Mundo”.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)