Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
2

Mundo muçulmano em protesto contra caricaturas do Charlie Hebdo

Milhares de muçulmanos manifestaram-se em todo o mundo contra as caricaturas de Maomé.
16 de Janeiro de 2015 às 22:30
Manifestação na Jordânia contra a publicação da caricatura de Maomé
Manifestação na Jordânia contra a publicação da caricatura de Maomé FOTO: EPA

Milhares de pessoas manifestaram-se em vários países muçulmanos esta sexta-feira, dia de oração, após o lançamento, na quarta-feira, de uma nova caricatura do profeta Maomé no semanário satírico francês Charlie Hebdo.

Os protestos mais graves ocorreram em Zinder, a segunda cidade do Níger, onde o Centro Cultural Francês foi incendiado por manifestantes, tendo os protestos causado quatro mortos e 45 feridos. Os manifestantes incendiaram também três igrejas, uma católica e duas protestantes, segundo as autoridades de Zinder, cidade do sul e localizada perto da fronteira com a Nigéria.

Na Mauritânia, largos milhares de pessoas marcharam da grande mesquita central de Nouakchott, tendo o chefe de Estado, Mohamed Ould Abdel Aziz, proferido breves palavras: "Eu sou muçulmano, somos todos muçulmanos. Nós lutámos contra o terrorismo no nosso próprio país e pagámos um preço elevado". Em Argel, entre 2.000 a 3.000 pessoas protestaram contra o último número do Charlie Hebdo, algumas gritando o nome dos irmãos Kouachi, os autores do ataque contra o jornal francês, de acordo com um jornalista da AFP.

Em Dacar, também na sequência das orações desta sexta-feira, pelo menos um milhar de pessoas protestaram contra os cartoons do Charlie Hebdo.

A bandeira francesa foi queimada frente à Embaixada de França, no centro de Dacar, por um grupo de manifestantes que gritavam slogans em louvor de Maomé e contra Charlie Hebdo, tendo a polícia usado gás lacrimogénio para dispersar a multidão, que gritava "Alá é grande". Vários manifestantes criticaram o presidente Macky Sall por ter participado na marcha em Paris, no domingo, contra o "terrorismo", acusando-o de ser "um hipócrita" e de ter a obrigação - como sublinhou Malick Ndiaye, professor na Universidade de Dakar - de "pedir desculpas" aos senegaleses. 

Em Carachi, no Paquistão, quando cerca de 350 manifestantes entraram em confronto com a polícia fora do consulado francês, pelo menos três pessoas ficaram feridas: Asif Hassan, fotógrafo da AFP alvejado nas costas, um agente da polícia e um operador de câmara de uma televisão local. Enquanto isso, manifestantes em Peshawar e Multan queimaram bandeiras francesas nas ruas e manifestações decorriam em Islamabad e Lahore.

Na Jordânia, em Amã, cerca de 2.500 manifestantes partiram da mesquita de Al-Husseini sob um forte aparato de segurança, empunhando cartazes que diziam "insultar o profeta é o terrorismo global". Em Cartum, centenas de sudaneses marchando na praça adjacente à Grande Mesquita entoaram frases a pedir a expulsão do "embaixador francês" e apelando a uma "vitória ao profeta de Deus", lendo-se numa bandeira que "o governo francês deveria pedir desculpas e pôr fim aos insultos a figuras religiosas".

Charlie Hebdo manifestação muçulmanos
Ver comentários