Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
7

Não quero ser vista como um monstro

'Kirsten’, a prostituta de luxo que levou à demissão do governador de Nova Iorque, é uma jovem de 22 anos de New Jersey. Foi registada Ashley Youmans quando nasceu, mas depois decidiu adoptar o apelido do padrasto e mudou o nome para AshleyRae Maika Di Pietro.
14 de Março de 2008 às 00:30
No seu site no MySpace conta que teve uma vida difícil. Foi abusada sexualmente, consumiu drogas e já foi uma sem-abrigo. Após o escândalo refugiou-se no dispendioso apartamento em que vive, em Manhattan, e numa das entrevistas que deu por telefone desabafou: “Só não quero que me vejam como um monstro.”
Vivia no seio de uma família desestruturada e saiu de casa aos 17 anos, após ter sido sexualmente abusada, segundo afirma no seu site, sem dar pormenores sobre o agressor. Aspirava singrar no mundo da música e trabalhou em night clubs em New Jersey e Nova Iorque como cantora de “rhythm and blues”. “A música é tudo para mim. Faz-me esquecer tudo por que passei”, escreve no site, onde revela as preferências musicais. Patsy Cline, Frank Sinatra, Christina Aguilera e Lau-ryn Hill integram a longa lista de cantores que admira.
Envolveu-se no consumo de drogas e chegou a dormir na rua. “Sei o que é ter tudo e perder tudo. Isso aconteceu-me vezes sem conta. Sei o que é acordar e ver que a pessoa que amamos se foi embora. Mas eu consegui. Gosto de ser quem sou”, escreve.
Aparentemente os tempo difíceis voltaram. Numa das entrevistas que deu, em que se identificou como Ashley Alexandra Dupre, confessou que anda preocupada porque não tem dinheiro para pagar a renda, já que o homem com quem vivia a deixou depois de ela ter descoberto que ele era pai de dois filhos. Agora encara a hipótese de trabalhar no restaurante de um amigo ou voltar para casa. A mãe, Carolyn Capalbo, garante que se dão “muito bem”. Mas talvez isso não seja necessária, já que começam a surgir propostas . A revista ‘Penthouse’, por exemplo, tem tentado contactá-la, sem sucesso, para a convidar a fazer fotos para a capa.
Refira-se que nas entrevistas recusou dizer há quanto tempo trabalhava para o Emperor’s Club e quantas vezes esteve com Spitzer.
‘Kirsten’ – nome pelo qual era conhecida no Emperor’s Club, a empresa de acompanhantes de luxo para a qual trabalhou e também o nome que consta do processo judicial sobre uma rede de prostituição – foi ontem a tribunal testemunhar no âmbito deste caso.
O demissionário governador de Nova Iorque, Eliot Spitzer, tenta agora evitar ser alvo de acusações criminais.
FRANCO E AFÁVEL
David Peterson será o novo governador de Nova Iorque a partir de segunda-feira. É cego de nascença e será o primeiro negro a governar o estado. Diz-se que é o oposto de Eliot Spitzer. Franco e afável, tem muito sentido de humor. Estudou Direito e foi eleito por Harlem. É um democrata liberal e mantém boas relações com republicanos. É casado e tem dois filhos.
Ver comentários