Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
8

Negociações entre Governo colombiano e Exército de Libertação Nacional "muito atrasadas"

Em 2018 a Colômbia estará focada na campanha para as eleições presidenciais que se celebram em maio.
Lusa 2 de Setembro de 2017 às 21:45
Colômbia
Colômbia
Colômbia
Colômbia
Colômbia
Colômbia
As negociações entre o Governo colombiano e o Exército de Libertação Nacional estão muito atrasadas e têm elementos mais críticos do que as realizadas com as FARC, disse este sábado um membro do movimento católico da Comunidade de Santo Egídio.

O responsável católico, Gianni La Bella, foi convidado por Juan Camilo Restrepo, negociador do Governo com o Exército de Libertação Nacional (ELN), a única guerrilha que continua ativa na Colômbia, para tentar alcançar uma trégua devido à visita do papa Francisco ao país, que decorre entre 6 e 10 de setembro.

Esta trégua seria "temporária", disse La Bella, que sublinhou no entanto que a expectativa é que "se possa converter em permanente".

O membro da comunidade católica, que participou nas negociações entre o Governo colombiano e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, indicou que o processo de negociação com o ELN, que começou no início deste ano em Quito, ainda "está muito atrasado".

O executivo liderado pelo Presidente, Juan Manuel Santos, e as FARC conseguiram alcançar, após quase quatro anos de conversações, um acordo de paz, que previa o desarmamento e desmobilização da guerrilha, que se tornaria um partido político, terminando um conflito armado que se arrastou por mais de 50 anos.

La Bella afirmou que há mais elementos críticos na negociação com o ELN do que com as FARC, entre os quais "a dificuldade" de esta guerrilha "renunciar aos sequestros".

Além disso, comentou, este processo não conta com a atenção por parte da comunidade internacional e da sociedade colombiana, que acreditam que, após o acordo de paz com as FARC, o ELN é um "problema periférico, coisa que não é".

Além disso, em 2018 a Colômbia estará focada na campanha para as eleições presidenciais que se celebram em maio, o que pode influenciar o processo negocial.
Ver comentários