Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
4

Nicolás Maduro lança "Marca País" para promover identidade cultural, histórica e turística

Na Venezuela residem cerca de 300.000 portugueses ou lusodescendentes.
12 de Fevereiro de 2019 às 19:26
Nicolás Maduro
Maduro
Juan Guaidó
Guaidó
Nicolás Maduro
Maduro
Juan Guaidó
Guaidó
Nicolás Maduro
Maduro
Juan Guaidó
Guaidó
O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, lançou oficialmente a "Marca País, Venezuela Aberta ao Futuro", uma estratégia que, segundo o próprio, permitirá diversificar o turismo, as exportações, os investimentos e também promover a identidade cultural e histórica dos venezuelanos.

"É o momento da estratégia, da Marca País, para que saibam a verdade sobre a Venezuela, a beleza da Venezuela e para que quem quiser venha compartilhar esta terra", disse.

Nicolás Maduro falava no Hotel Venetur Alba Caracas (estatal), durante um ato em que precisou que o seu Governo "afinou" a apresentação da marca, "durante anos, com visão das oportunidades que a Venezuela oferece ao mundo, como um país aberto ao futuro".

"É uma boa oportunidade, quando a Venezuela está no olho do furacão geopolítico do mundo, quando toda a imprensa mundial lhe dedica páginas inteiras e as redes sociais fervem diariamente com notícias do nosso país", disse.

Segundo Nicolás Maduro, uma "boa parte da guerra mediática a que a Venezuela está submetida no mundo, tem como propósito que ninguém se aproxime, que ninguém faça investimentos" mas a "Venezuela é o melhor país do mundo para investimentos".

Entretanto, através da rede social Twitter, o Presidente da Venezuela explicou que a "Marca País, tem como base uma identidade cultural e história que tem sido forjada ao longo de mais de 500 anos (de história), com a força espiritual de uma pátria de grandes belezas naturais para oferecer ao mundo".

"A Venezuela é única!", exclamou na sua conta daquela rede social.

Numa outra mensagem explicou que a Venezuela tem "grandes desafios no motor turismo (programa estatal)" e que foram criadas "as condições necessárias" para que a Venezuela "dê um grande salto para a frente no desenvolvimento turístico. Viva a Venezuela Bela!".

A crise política na Venezuela agravou-se em 23 de janeiro, quando o líder da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, se autoproclamou Presidente da República interino e declarou que assumia os poderes executivos de Nicolás Maduro.

Guaidó, 35 anos, contou de imediato com o apoio dos Estados Unidos e prometeu formar um governo de transição e organizar eleições livres.

Nicolás Maduro, 56 anos, no poder desde 2013, recusou o desafio de Guaidó e denunciou a iniciativa do presidente do parlamento como uma tentativa de golpe de Estado liderada pelos Estados Unidos.

A maioria dos países da União Europeia, entre os quais Portugal, reconheceram Guaidó como Presidente interino encarregado de organizar eleições livres e transparentes.

A repressão dos protestos antigovernamentais desde 23 de janeiro provocou já 40 mortos, de acordo com várias organizações não-governamentais.

Esta crise política soma-se a uma grave crise económica e social que levou 2,3 milhões de pessoas a fugirem do país desde 2015, segundo dados das Nações Unidas.

Na Venezuela residem cerca de 300.000 portugueses ou lusodescendentes.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)