Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
4

Outro nigeriano detido em voo para Detroit

Os EUA estão em sobressalto. Outro nigeriano foi ontem detido a bordo de um avião da Northern Airlines que fazia, novamente, a ligação entre Amesterdão e Detroit, isto depois de o comandante ter solicitado uma aterragem de emergência face ao comportamento estranho do passageiro. Um incidente inquietante, dois dias após Abdul Farouk Abdulmutallab ter falhado a explosão de um avião da mesma companhia que se aproximava de Detroit, com 289 pessoas bordo.
28 de Dezembro de 2009 às 00:30
A polícia isolou o bloco de apartamentos, numa das zonas mais exclusivas do centro de Londres, onde o nigeriano viveu, perto da universidade para onde o pai o enviou
A polícia isolou o bloco de apartamentos, numa das zonas mais exclusivas do centro de Londres, onde o nigeriano viveu, perto da universidade para onde o pai o enviou

O passageiro, que seguia também de Amesterdão para Detroit, foi detido, depois de o avião ter aterrado de emergência. O alerta sucedeu após o passageiro ter ficado fechado muito tempo na casa de banho (tal como havia acontecido com Abdulmutallab), o que levou a tripulação a declarar a situação de emergência. O avião aterrou sem problemas em Detroit, o passageiro suspeito foi detido, mas com ele não foram encontrados explosivos.

No dia de Natal, Abdulmutallab passou os controlos em dois aeroportos quando já transportava materiais explosivos. Com um bilhete comprado no Gana, embarcou num voo da KLM em Lagos, Nigéria, fez escala em Amesterdão e seguiu para Detroit. O jovem, que tinha residido em Londres, não obteve em Maio último visto para voltar a entrar no Reino Unido. Ainda assim, foi-lhe passado um para os EUA.

Washington já fez saber que vai rever a sua legislação.

PERFIL

Abdul FaroukAbdulmutallab Com 23 anos, o nigeriano que esteve prestes a provocar uma matança no dia de Natal, temo perfil do homem da al-Qaeda: oriundo de família rica e educação no Ocidente. O pai, ex-ministro, foi presidente de um dos maiores bancos da Nigéria e foi ele quem o enviou para estudar, primeiro no Togo, onde foi radicalizado pelos extremistas, e depois em Londres.

WASHINGTON REVÊ SEGURANÇA

Os EUA estão a rever o funcionamento das listas de passageiros, para detectar suspeitos de terrorismo, bem como os sistemas de detecção dos aeroportos. Isto para entenderem como é que um homem com explosivos pôde entrar num avião da Northern Airlines. O anúncio foi feito pelo porta-voz da Casa Branca, Robert Gibbs, que referiu que a administração norte-americana está a analisar "como rever os procedimentos " e também a investigar os sistemas de detecção dos aeroportos para tentar perceber como é que Umar Farouk Abdulmutallab conseguiu transportar materiais explosivos. Algumas companhias aéreas adoptaram as suas próprias medidas de segurança. A Air Canada,por exemplo, vai limitar a acção dos passageiros nos seus aviões.

PERGUNTAS E RESPOSTAS

De onde vieram os explosivos?

Os explosivo partiram do Iémen, considerado um feudo dos extremistas islâmicos.

O nigeriano estava em listas de segurança?

Os EUA afirmam que foram contactados pelo pai do terrorista, mas que não tinham elementos suficientes para colocar Abdul na lista negra.

Como passaram os explosivos nos controlos de segurança?

Os holandeses afirmam que os detectores de metais não referenciam explosivos líquidos. Segundo o FBI, só equipamentos mais sofisticados, nomeadamente ecrãs com imagens 3D, poderão detectar este tipo de explosivos.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)