Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
1

Pai de Julen diz que continua "a ver o poço" sempre que fecha os olhos

José Roselló não se conforma com a morte do filho em Málaga.
1 de Fevereiro de 2019 às 18:35
Os pais de Julen, Jose Rosello e Vicky Garcia, confortam-se durante a operação do resgate do menino que caiu em poço
O pai de Julen, José, é confortado por familiares e amigos no exterior do cemitério
Velório. Os pais de Julen seguram uma bola durante o velório do menino, que decorreu na casa fúnebre de El Palo. Dezenas de familiares, amigos e vizinhos passaram pelo local para dar apoio ao casal.
Os pais de Julen confortam-se durante a operação do resgate do menino que caiu em poço
Os pais de Julen, Jose Rosello e Vicky Garcia, confortam-se durante a operação do resgate do menino que caiu em poço
O pai de Julen, José, é confortado por familiares e amigos no exterior do cemitério
Velório. Os pais de Julen seguram uma bola durante o velório do menino, que decorreu na casa fúnebre de El Palo. Dezenas de familiares, amigos e vizinhos passaram pelo local para dar apoio ao casal.
Os pais de Julen confortam-se durante a operação do resgate do menino que caiu em poço
Os pais de Julen, Jose Rosello e Vicky Garcia, confortam-se durante a operação do resgate do menino que caiu em poço
O pai de Julen, José, é confortado por familiares e amigos no exterior do cemitério
Velório. Os pais de Julen seguram uma bola durante o velório do menino, que decorreu na casa fúnebre de El Palo. Dezenas de familiares, amigos e vizinhos passaram pelo local para dar apoio ao casal.
Os pais de Julen confortam-se durante a operação do resgate do menino que caiu em poço

"Maldigo-me a mim próprio, maldigo esse dia, maldigo a hora em que decidi ir ali". É de "coração destroçado" que José Roselló, o pai do menino Julen presta as primeiras declarações públicas desde que o corpo de Julen foi encontrado sem vida num poço de Málaga, a 70 metros de profundidade. 

"Fecho os olhos e vejo sempre o mesmo, o poço", diz em breve conversa telefónica com o Canal Sur, que aconteceu por sua iniciativa. E promete que nunca mais volta ao local onde fazia o último piquenique com o filho. Nem esquece o que almoçava nesse dia: "nunca mais como uma paella".

José está reviver com a perda de Julen, de dois anos e meio, o mesmo terror que passou com Óliver, o seu primeiro filho, que também morreu na infância, vítima de doença súbita. "Na altura vivíamos com a minha família, mas tivemos que os deixar porque tudo eram recordações dele. Agora é igual. Não conseguimos ir a casa. Ficamos dois ou três dias em casa de amigos e só vamos a casa para dormir".

Conta que a mulher, Vicky, leu com emoção as mensagens que receberam de todo o mundo. E explica que ligou para o Canal Sur para encerrar o caso. "Não quero dar mais entrevistas. Só transmitir o nosso agradecimento por todo o apoio que recebemos", diz José, reconhecendo o esforço "da Guardia Civil, dos Bombeiros, mineiros, engenheiros, operários, psicólogos, pessoal da emergência, voluntários da Proteção Civil, vizinhos de Totalán [onde o menino caiu], a mulher que nos cedeu a sua casa (...) estaremos eternamente agradecidos.


Óliver Málaga José Roselló Bombeiros Julen Canal Sur Proteção Civil Totalán questões sociais
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)