Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
2

Papa reza pela paz no Ground Zero

No último dia da sua visita aos EUA, o Papa Bento XVI rezou ontem no Ground Zero – local onde se erguiam as Torres Gémeas do World Trade Center, em Nova Iorque, destruído no 11 de Setembro – pelas quase três mil vítimas dos atentados terroristas de 2001 e seus familiares e pelo fim do ódio e da violência.
21 de Abril de 2008 às 00:30
Bento XVI no local do World Trade Center, destruído pelos atentados de 11 de Setembro de 2001
Bento XVI no local do World Trade Center, destruído pelos atentados de 11 de Setembro de 2001 FOTO: Gary Hershorn / Reuters

Entre o pequeno grupo de convidados presentes, alguns deles católicos, estiveram 16 familiares de pessoas que perderam a vida quando os aviões foram lançados contra as Torres Gémeas, quatro socorristas enviados para o cenário dos ataques e quatro sobreviventes. Após rezar, ajoelhado, pelos que morreram nos ataques, Bento XVI afirmou: "Deus da Paz... vira para o Teu caminho de amor aqueles cujos corações e mentes são consumidos pelo ódio". Estas palavras do Santo Padre geraram controvérsia, uma vez que foram interpretadas por alguns como uma oração pelos ‘piratas do ar’ mortos no 11 de Setembro. O Vaticano não interpretou a oração, mas fez notar que, no passado, Bento XVI instou os extremistas a não usarem de violência.

Por seu lado, o ‘mayor’ de Nova Iorque, Michael Bloomberg, afirmou não estar preocupado com o conteúdo da oração. "Ele entende, realmente, o que aconteceu aqui e como se tratou de um ataque contra pessoas que amam a paz em todo o Mundo e querem poder praticar a sua religião. Sempre foi um homem de paz, que veio rezar por todos", declarou Bloomberg no Ground Zero.

O "MONSTRO" DO REGIME NAZI

Num encontro com cerca de 25 mil jovens, no sábado, em Nova Iorque, no qual foi recebido como uma ‘estrela’, Bento XVI recordou o seu crescimento durante o nazismo. "Os meus anos de adolescente foram arruinados por um regime sinistro que julgava ter todas as respostas", declarou o Papa, que considerou o nazismo um "monstro". Num ambiente festivo, Bento XVI acrescentou que o nazismo "baniu Deus". Ainda segundo o Papa, actualmente, males como a toxicodependência, a pobreza, o racismo, a violência e a degradação das mulheres resultam, também, do tratamento das pessoas como objectos e da negação da dignidade humana dada por Deus. Para o Santo Padre, a manipulação da verdade é "particularmente sinistra". "Quando a liberdade não tem em conta a verdade absoluta, relegando-a para a esfera privada do indivíduo, o relativismo toma conta de tudo", concretizou Bento XVI, que recebeu várias prendas pelo seu recente 81.º aniversário e ouviu os ‘Parabéns a você’ em alemão.

SOLTAS

MCLAUGHLIN

Um dos presentes no Ground Zero foi John McLaughlin, da Autoridade Portuária de Nova Iorque, uma das últimas pessoas a ser retirada do cenário do atentado e que inspirou o filme ‘World Trade Center’.

CAPELÃO

Outra das pessoas presentes na cerimónia realizada no Ground Zero foi Dympna Judge, irmã do capelão dos bombeiros de Nova Iorque, Mychal Judge, morto pela chuva de escombros.

MISSA

No final da sua visita aos EUA, Bento XVI celebrou ontem a eucaristia no Yankee Stadium, para cerca de 57 mil pessoas. Refira-se que a Comunhão foi distribuída por mais de 550 sacerdotes.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)