Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
2

Deputados agridem-se a murro e pontapé no parlamento da Bolívia

Em causa estava se a crise que o país enfrentou em 2019 foi resultado de uma fraude eleitoral ou de um golpe de Estado.
Correio da Manhã 9 de Junho de 2021 às 10:48
A carregar o vídeo ...
Deputados agridem-se a murro e pontapé no parlamento da Bolívia

O senador da oposição boliviana Henry Montero e o deputado socialista do MAS, partido no governo, Antonio Colque, envolveram-se, esta terça-feira, em confrontos no parlamento da Bolívia. Em causa estava se a crise que o país enfrentou em 2019 foi resultado de uma fraude eleitoral ou de um golpe de Estado.

Segundo o El Mundo, o ministro do Interior, Eduardo del Castillo, estava a ser ouvido no parlamento sobre a detenção da conservadora Jeanine Áñez, que assumiu a presidência interina após Evo Morales ter renunciado ao cargo na sequência de uma onda de protestos violentos e acusações de fraude eleitoral por se ter candidatado a um quarto mandato considerado inconstitucional.

Enquanto o ministro do Interior era ouvido, os ânimos exaltaram-se entre a oposição e os deputados do MAS, com constantes interrupções e gritos. Na primeira fila, Henry Montero e Antonio Colque envolveram-se em confrontos físicos, com murros e pontapés. Ambos caíram no chão enquanto outros deputados tentavam separá-los.

Os confrontos repetiram-se entre duas parlamentares, com puxões de cabelo e arranhões, o que obrigou a que a sessão parlamentar fosse interrompida durante 10 minutos.

Após o intervalo, o ministro do Interior sustentou que o que se passou em 2019 foi um "golpe de Estado e não uma fraude eleitoral".

A ex- presidente interina, Jeanine Áñez, está em prisão preventiva desde março, acusada de sedição, conspiração e terrorismo no caso intitulado "Golpe de Estado" [contra Evo Morales]. Também estão detidos o ex-ministro da Justiça Álvaro Coímbra e o ex-ministro da Energia Rodrigo Guzmán.

Com este caso, o governo da Bolívia afirma querer fazer justiça, enquanto a oposição considera tratar-se de um ato de perseguição contra eles. 

 

Bolívia Evo Morales Parlamento agressões violência mundo
Ver comentários