Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
7

Passeios em elefantes proibidos no Camboja após duas mortes por exaustão

Petição internacional que pedia o fim da exploração animal contou com 14 mil assinaturas em apenas dois dias.
16 de Junho de 2019 às 18:17
Passeios em elefantes proibidos no Camboja após duas mortes por exaustão
Passeios em elefantes proibidos no Camboja após duas mortes por exaustão
Passeios em elefantes proibidos no Camboja após duas mortes por exaustão
Passeios em elefantes proibidos no Camboja após duas mortes por exaustão
Passeios em elefantes proibidos no Camboja após duas mortes por exaustão
Passeios em elefantes proibidos no Camboja após duas mortes por exaustão
Passeios em elefantes proibidos no Camboja após duas mortes por exaustão
Passeios em elefantes proibidos no Camboja após duas mortes por exaustão
Passeios em elefantes proibidos no Camboja após duas mortes por exaustão
Passeios em elefantes proibidos no Camboja após duas mortes por exaustão
Passeios em elefantes proibidos no Camboja após duas mortes por exaustão
Passeios em elefantes proibidos no Camboja após duas mortes por exaustão

O templo Angkor Wat, situado na província do Camboja, na Ásia, vai proibir os passeios de elefantes no início de 2020. As visitas que são a maior atracão turística do país da Ásia contavam todos os anos com mais de 2,5 milhões de turistas que subiam às costas dos animais.

As mortes dos elefantes provocaram, por todo o mundo, indignação às pessoas.

Após uma petição realizada contra a exploração animal, foram arrecadadas 14 mil assinaturas. Posto isto, o governo do Camboja decidiu transferir os 14 elefantes para um centro de conservação e reprodução, onde as pessoas poderão continuar a observar e a tirar fotos com os animais.

Oan Kiry, diretora do Comité do Grupo de Elefantes de Angkor Wat, disse ao jornal britânico Metro que o propósito é "que os elefantes vivam da maneira mais natural possível".

O fim dos passeios com os animais foi anunciado três anos depois de o primeiro elefante ter desmaiado e morrido de exaustão enquanto carregava turistas durante as visitas. Dois anos mais tarde, a morte de um outro elefante deu-se pelo mesmo motivo.

De acordo com um veterinário que examinou o animal, as causas da morte foram "as altas temperaturas, exaustão pelo calor e pela falta de vento que teria ajudado a resfriá-lo".

Um porta-voz do grupo ativista Moving Animals, que trabalha para aumentar a consciencialização sobre a crueldade da utilização de animais para fins turísticos, reconheceu a decisão como "um momento decisivo que mostra que a maré está a virar-se contra o turismo cruel da vida selvagem".

Acredita-se ainda que existam cerca de 70 elefantes domesticados no Camboja.  

Comité do Grupo de Elefantes de Angkor Wat Ásia Metro Moving Animals Camboja animais questões sociais
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)