Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
2

Pena de morte para homem que ateou fogo a ex-mulher durante direto nas redes sociais

Tribunal sentenciou que o homem envolveu a mulher em gasolina e a queimou.
Correio da Manhã 14 de Outubro de 2021 às 19:32
Lhamo foi vítima de violência doméstica e morreu
Lhamo foi vítima de violência doméstica e morreu FOTO: Direitos Reservados / Twitter

Tang Lu foi condenado à morte após o tribunal da minoria étnica tibetana de Aba e Qiang, na China, o ter considerado culpado pelo homicídio da ex-mulher enquanto esta fazia um direto nas redes sociais, em setembro de 2021.

O homem, de nacionalidade chinesa, despejou gasolina em cima da mulher, pegando-lhe fogo de seguida.

O tribunal culpou Tang de homicídio doloso, sublinhando que o método utilizado pelo agressor era "extremamente cruel", o impacto social era "extremamente mau" e o crime era "extremamente grave".

A vítima partilhava o seu quotidiano familiar com milhares de seguidores na versão chinesa da rede TikTok, mas nenhum sinal indicava que sofria de violência às mãos do marido.

O caso de Lhamo suscitou o debate sobre a violência doméstica na China, com as falhas constantes na proteção das vítimas.

De acordo com o jornal The Guardian, a mulher encontrava-se a fazer uma transmissão em direto da cozinha do pai quando um homem entrou na divisão. De seguida, o ecrã ficou todo escuro e as pessoas que assistiam ao direto ouviram a mulher a gritar.

A irmã de Lhamo, Dolma, encontrou a vítima internada na unidade de cuidados intensivos do hospital de Aba e com queimaduras em 90% do corpo. A mulher foi depois transferida para Sichuan. A família organizou um peditório para angariar dinheiro para os tratamentos, mas Lhamo viria a morrer.

A história não foi, no entanto esquecida. O movimento #LhamoAct espalhou-se rapidamente pela internet, apelando à criação de leis que permitissem o divórcio automático às vítimas de violência doméstica. No entanto, o movimento acabou por ser bloqueado pela censura, segundo avança o jornal britânico.

Dolma revelou que o ex-marido da irmã estava já notificado pela polícia, uma vez que as agressões eram recorrentes desde a altura do casamento, quando a mulher tinha apenas 17 anos.

Lhamo separou-se em março de 2020, mas voltou a casar-se com Tang após ameaças do marido aos filhos. A violência continuou e a mulher voltou a pedir o divórcio, tendo-se escondido com a família. O inferno continuou para Lamu, cuja irmã chegou também a ser agredida.

O agressor ficou com a custódia dos filhos após um tribunal local ter concedido o divórcio. O crime viria a aconteceu em setembro de 2020.

China Lhamo Dolma morte julgamentos crime
Ver comentários