Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
3

Polícia de S. Paulo acusada de matança

A morte de 13 alegados criminosos durante um suposto confronto com a Polícia segunda-feira de manhã na cidade de São Bernardo do Campo, vizinha a São Paulo, pode, na verdade, ter sido uma matança promovida pelos próprios polícias.
28 de Junho de 2006 às 00:00
A informação, dada por familiares de alguns dos mortos, está a ser averiguada pelo Ministério Público e por organizações de defesa dos Direitos Humanos.
De acordo com a versão da Polícia, os 13 mortos, entre os quais uma mulher, eram membros do Primeiro Comando da Capital (PCC), a facção que controla o crime organizado no estado de São Paulo, e iam desencadear nessa manhã uma onda de assassínios de polícias e guardas prisionais, a exemplo dos atentados ocorridos em Maio. Ainda segundo a Polícia, o plano foi denunciado por bandidos rivais e os suspeitos, ao serem cercados junto à prisão de São Bernardo do Campo, onde presumivelmente esperariam a saída de guardas para os matar, reagiram à bala, deflagrando o confronto.
Mas familiares de alguns dos mortos, embora reconheçam que eles eram do PCC, afirmam que as vítimas foram executadas pela Polícia sem possibilidade de se defenderem ou de se entregarem. Para aumentar as suspeitas , os familiares só podem fazer o reconhecimento dos corpos através de fotos de rosto cedidas pela própria Polícia.
PERFIL
Facção criminosa mais temida no Brasil, o PCC é comandado por uma sanguinária rede de líderes, à cabeça dos quais está Marcos William Herbas Camacho, o Marcola. Oriundo de uma família sem problemas financeiros, entrou no mundo do crime aos 14 anos. Preso, mantém o controlo da organização.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)