Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
9

Polícia detém homem da canoa

John Darwin fora dado como morto em 2003 pela polícia britânica, após uma investigação feita quando o seu caiaque foi encontrado desfeito numa praia de Seaton, em Março de 2002. No passado sábado apareceu numa esquadra de Londres e disse aos agentes que o receberam: “Creio que sou uma pessoa desaparecida.” Ontem foi detido por suspeita de fraude.
6 de Dezembro de 2007 às 00:00
Darwin parece bem de saúde
Darwin parece bem de saúde FOTO: Reuters
Este misterioso caso começou a 21 de Março de 2002, quando a mulher de Darwin, Anne, foi à polícia dar conta do desaparecimento do marido que, segundo ela, poderia ter sofrido um acidente enquanto andava de caiaque no Mar do Norte, perto do local onde residiam, em Hartlepool, Cleveland. A polícia estranhou o acidente porque nesse dia as águas estavam calmas mas levou a cabo buscas extensivas, por mar e por ar, e nada encontrou. Semanas depois foram encontrados restos do caiaque numa praia e após investigação o homem foi dado como morto.
Há três meses as autoridades receberam informações que indicavam haver algo de suspeito no desaparecimento. Um antigo guarda prisional de 57 anos e pai de dois filhos lançou uma nova investigação.
Entretanto, a mulher de Darwin, de 55 anos, levantou o seguro do marido, vendeu a casa em que vivia e mudou-se recentemente para o Panamá. Darwin, que reapareceu bronzeado e com bom aspecto, diz sofrer de amnésia e não ter memória do que aconteceu a partir de 2000. A polícia britânica está a investigar e deteve-o ontem por suspeita de fraude. Adensando os indícios, o ‘Daily Mirror’ publicou uma foto de Darwin com a mulher afirmando que ela foi tirada no ano passado no Panamá. A polícia fez um apelo público: “Haverá pessoas que conviveram com ele ou que o viram. Por favor dêem-nos informações”.
Ver comentários