Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
4

Polícia moçambicana impede 70 jovens de viajarem por receios de recrutamento por grupos armados

Secretário de Estado da província de Nampula, Mety Gondola, disse que as circunstâncias da sua deslocação eram estranhas.
Lusa 9 de Março de 2020 às 10:35
Polícia Moçambicana
Polícia moçambicana
Polícia Moçambicana
Polícia moçambicana
Polícia Moçambicana
Polícia moçambicana
A Polícia da República de Moçambique (PRM) na província de Nampula, Norte do país, impediu um grupo de 70 jovens de seguir viagem para a província de Cabo Delgado, por suspeitar que se iam juntar a grupos armados.

O canal STV mostrou esta segunda-feira e entrevistou os homens levados ao comando provincial da PRM, tendo alguns dito aos jornalistas que se deslocavam num camião a Cabo Delgado à procura de oportunidades de emprego, quando foram interpelados pela polícia e levados sob custódia para o comando.

O secretário de Estado da província de Nampula, Mety Gondola, dirigindo-se aos jovens, disse que as circunstâncias da sua deslocação à província de Cabo Delgado eram estranhas, o que justificou a atuação da polícia.

"Não há problema nenhum em ir a Cabo Delgado, é uma província com oportunidades de emprego, mas quando as razões dessa deslocação são estranhas, há que ter muito cuidado", declarou Mety Gondola.

Gondola assinalou que a província de Cabo Delgado é palco de ataques armados e a ida de jovens para zonas afetadas deve ter razões bem claras, para se evitar o recrutamento por grupos armados.

A polícia deixou depois os 70 jovens partirem para as suas casas.

Alguns dos jovens declararam aos jornalistas que se deslocavam à província em negócios ou para a prática de garimpo.

Nampula é vizinha de Cabo Delgado e desde que eclodiu a violência armada nesta província, em outubro de 2017, vários grupos de jovens foram impedidos de seguir viagem por receios de que se iam juntar aos atacantes.

A província de Cabo Delgado tem sido alvo de ataques de grupos armados que organizações internacionais classificam como uma ameaça terrorista e que em dois anos e meio já fez, pelo menos, 350 mortos, além de 156.400 pessoas afetadas com perda de bens ou obrigadas a abandonar casa e terras em busca de locais seguros.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)