Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo

Portuguesa vítima do Katrina

Uma portuguesa emigrada nos EUA há 44 anos morreu na sequência da passagem do Furacão 'Katrina' sobre Nova Orleães. Ivete Pereira, 53 anos de idade, esteve três dias encurralada no sótão e não resistiu até à chegada de socorro.
13 de Setembro de 2005 às 08:04
Ivete Pereira morreu ao terceiro dia encurralada no sótão da sua casa. A filha de 11 anos de idade sobreviveu
Ivete Pereira morreu ao terceiro dia encurralada no sótão da sua casa. A filha de 11 anos de idade sobreviveu FOTO: Reuters
Ivete Pereira era natural da região de Leiria. Na véspera da chegada do 'Katrina' a Nova Orleães, Ivete e uma filha de 11 anos de idade tentaram fugir, mas uma árvore caiu sobre o automóvel.
Os Pereira refugiaram-se no sótão da sua casa em Nova Orleães quando a água começou a subir rapidamente. O relato dos acontecimentos foi feito à Rádio TSF por Vanessa Pereira, 27 anos, filha mais velha dos Pereira, acolhida pela família do marido em Houston, Texas. Vanessa, que fugira no dia anterior, declarou que a mãe lhe telefonou segunda-feira, dia em que o 'Katrina' atingiu Nova Orleães, e que lhe disse estar encurralada no sótão com a filha mais nova, Alexandra, 11 anos de idade.
As equipas de socorro só haviam de chegar ao sótão dos Pereira quinta-feira. Tarde de mais para Ivete, mas a tempo de salvar a pequena Alexandra, que respirava através de um buraco no telhado e escapou dessa forma aos efeitos da fuga de gás que, aparentemente, matou a mãe. Vanessa Pereira queixou-se do atraso na chegada do socorro ao sótão e da desorganização posterior.
A irmã Alexandra, traumatizada pelos acontecimentos, esteve sozinha durante cinco dias num hospital. Vanessa só a descobriu por ter visto o nome numa lista divulgada num 'site' da Cruz Vermelha. A irmã mais velha disse que, dos Pereira de Nova Orleães, sobreviveram apenas ela e a irmã.
Vanessa Pereira confirmou que a mãe era natural de uma aldeia próxima de Leiria, mas que quase não mantinha contactos com Portugal, exceptuando com um casal de amigos residente nos arredores de Lisboa. Será agora difícil localizar familiares e amigos, uma vez que todos os documentos e agendas foram levados na enxurrada libertada pelo 'Katrina'.
GOVERNO PORTUGUÊS DISPOSTO A AJUDAR
O Ministério dos Negócios Estrangeiros, contactado pelo CM On-Line, garantiu esta manhã não ter registo de inscrição de Ivete Pereira em qualquer repesentação diplomática nos EUA.
O porta-voz da diplomacia portuguesa, Carneiro Jacinto, adiantou que o Ministério está disponível para custear despesas relacionadas com uma eventual trasladação do corpo para Portugal, mas salientou que para isso é necessário que familiares contactem os serviços do MNE, pelo telefone 351 21 394 6907/8. Vanessa Pereira, filha de Ivete, pode ainda contactar qualquer representação diplomática portuguesa nos EUA.
Os serviços diplomáticos portugueses estão a acompanhar através de equipas inglesas a evolução dos acontecimentos na região norte-americana devastada pelo 'Katrina'. Carneiro Jacinto revelou que as informações recolhidas a respeito de Ivete Pereira já foram transmitidas aos ingleses no terreno, por forma a que se possa apurar mais detalhes e confirmar a morte desta portuguesa em Nova Orleães.
Vanessa Pereira adiantou à Rádio TSF que a mãe vai ser sepultada em Nova Orleães mas revelou que vai contactar as autoridades portuguesas por estas terem manifestado disponibilidade para ajudar.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)