Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
1

Posso fazer o luto e morrer em paz

Foi uma longa espera. Agora posso morrer em paz. Temos tempo agora para fazer o luto e continuar com as nossas vidas”. Foi desta forma que reagiu Ian McNicol à descoberta do cadáver da filha de 18 anos, dada como desaparecida em 1991. A polícia descobriu sexta-feira os restos mortais numa casa onde dias antes tinha sido encontrado o corpo de Vicky Hamilton, de 15 anos de idade, ela também desaparecida em 1991.
18 de Novembro de 2007 às 00:00
Peter Tobin é suspeito de matar e enterrar Vicky e Dinah no jardim de sua casa.
Peter Tobin é suspeito de matar e enterrar Vicky e Dinah no jardim de sua casa. FOTO: Cate Gillon, Reuters
Dinah McNicol saiu de casa para ir a um concerto e nunca mais voltou. O pai, agora com 68 anos de idade, afirma sentir-se simultaneamente “feliz e confuso”. “Quero desesperadamente que Dinah possa ser colocada em repouso antes de chegar a minha hora”, afirmou.
A polícia prossegue, entretanto, as buscas na casa, situada no n.º 50 de Irvine Drive, na cidade portuária inglesa de Margate, no condado de Kent, onde segunda e sexta-feira foram encontrados os cadáveres das duas jovens.
Peter Tobin, de 61 anos de idade, viveu há cerca de 12 anos naquela casa e foi formalmente acusado do homicídio de Vicky, sendo igualmente suspeito no caso de Dinah. Onze outros casos de desaparecimento de jovens, alguns deles remontando aos anos 60, estão a ser tratados agora como possíveis homicídios. Os investigadores pensam que há mais corpos sepultados no jardim da casa, pelo que todos os meios estão empenhados nas buscas à moradia e ao jardim.
Os actuais proprietários da casa dizem-se chocados com a descoberta. “Virou a nossa vida familiar de pernas para o ar”, afirmou Nicola Downing.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)