Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
4

RENUNCIOU POR AMOR

A família real da Holanda volta à ribalta, com o príncipe Johan Friso, segundo na linha de sucessão, a renunciar ao seu direito ao trono, depois de o governo de Jan Peter Balkenende ter recusado aprovar o seu casamento com a plebeia Mabel Wisse Smit devido ao seu relacionamento com um 'gangster'.
11 de Outubro de 2003 às 00:00
 Friso escreveu ao primeiro-ministro para lhe dizer que vai casar com Mabel
Friso escreveu ao primeiro-ministro para lhe dizer que vai casar com Mabel FOTO: AFP
"O casal forneceu informações que não estavam completas nem correctas, o que minou a confiança do governo", declarou o primeiro-ministro holandês quando anunciou a rejeição. Refira-se que ao abrigo da lei holandesa, todos os membros da família real com direito à sucessão ao trono têm de receber a permissão do governo e também do Parlamento uma vez que é o executivo que assume a responsabilidade pelas suas acções.
A resposta do príncipe não tardou. Numa carta ao primeiro-ministro, Johan Friso, de 35 anos, afirmou que não abdica do seu casamento com Mabel, pelo que renuncia ao seu direito à sucessão ao trono.
O 'Mabelgate', como a Imprensa apelidou este caso, começou em Junho, pouco depois de Friso anunciar o seu noivado com Mabel Smit, ex-funcionária da ONU e activista dos direitos humanos, também com 35 anos. Numa notícia que caiu como uma bomba, os 'media' revelaram que a noiva do segundo filho da rainha Beatriz tivera um relacionamento amoroso com Klaas Bruinsma, um narcotraficante morto numa rixa de 'gangs' em 1991.
Em Agosto, perante a pressão da Imprensa, Mabel acabou por emitir um comunicado admitindo que conhecera vagamente o narcotraficante quando era estudante, mas frisando que nunca se envolvera romanticamente com ele.
Na semana passada, um ex-guarda-costas de Bruinsma veio pôr achas na fogueira, garantindo que Mabel fora amante do narcotraficante, acusações logo desmentidas por um antigo cúmplice do criminoso. Uma amiga de Mabel veio também em seu socorro, assegurando aos 'media' que fora ela que se envolvera com o 'gangster' e não Mabel.
A verdade é que num encontro com Balkenende, Mabel acabou por reconhecer que privara com Bruinsma, continuando, porém, a negar um relacionamento amoroso. Implacável, o governo de Balkenend rejeitou o casamento. Apaixonado, o príncipe optou pelo amor. Uma decisão que faz lembrar a do rei Eduardo VIII, da Grã-Bretanha, que abdicou por amor a Wallis Simpson.
A controvérsia é já uma tradição na família real holandesa. O casamento de Willem Alexander com Maxima Zorreguieta fez correr tinta por esta ser filha de um responsável da ex-Junta Militar argentina. O próprio casamento da rainha Beatriz com o príncipe Claus, de nacionalidade alemã, não foi pacificamente aceite.
OS PRÍNCIPES
CONSTANTIJN
Nasceu a 11 de Outubro de 1969. Formou-se em Direito e o seu estágio conduzido pelo advogado Hans Van denBroek, membro da Comissão Europeia. É casado com Laurentien Brinkhorst. O casal vive em Londres e tem uma filha.
WILLEM ALEXANDER
Nascido em 27 de Abril de 1967, o herdeiro da Coroa holandesa licenciou-se em História e ganhou o título de príncipe d'Orange quando a rainha Beatriz subiu ao trono. O seu casamento com Maxima Zorreguietagerou controvérsia.
JOHAN FRISO
Nasceu a 25 de Setembro de 1968 e formou-se em engenharia aeronáutica e economia. Trabalhou no Banco Goldman, Sachs & Co. O seu noivado não fugiu à polémica, levando-o renunciar à sucessão ao trono.
Ver comentários