Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
5

Revista que satiriza Islão destruída

O edifício-sede em Paris da revista francesa satírica ‘Charlie Hebdo’, que publica esta quarta-feira um número especial após as eleições na Tunísia, foi destruído durante a madrugada por um incêndio provocado por um ‘cocktail molotov’.
2 de Novembro de 2011 às 12:59
Sede foi destruída durante a madrugada por um incêndio provocado por um ‘cocktail molotov’
Sede foi destruída durante a madrugada por um incêndio provocado por um ‘cocktail molotov’ FOTO: Reuters

Para assinalar a edição especial, a revista mudou o seu nome para ‘Charia (Lei Islâmica)  Hebdo’ e anunciou que o profeta Maomé  era o ‘redactor principal’ do número desta quarta-feira, para "festejar  a vitória” do partido islamista Ennahda (Renascimento) na Tunísia. O site também foi alvo de ataques por parte de ‘hackers’.  

Recorde-se que  ‘Charlie Hebdo’, que vende cerca de 60 mil exemplares por semana, já havia sido ameaçada após ter publicado, em 2006, caricaturas de Maomé. 

Segundo jornalistas que se encontravam na redacção, a bomba incendiária foi lançada contra a fachada do edifício e o fogo alastrou rapidamente a todo o sistema informático do jornal. O incêndio foi dominado e não causou vítimas.  

charlie hebdo revista islão maomé hackers profeta frança imprensa bomba
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)