Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
2

Rove e Libby discutiram caso Plame

O principal conselheiro político do presidente George W. Bush, Karl Rove, e o chefe de gabinete do vice-presidente Dick Cheney, Lewis Libby, terão discutido entre si o caso da agente da CIA, Valerie Plame, cujo nome foi revelado à Imprensa para ‘castigar’ as críticas feitas pelo marido à invasão do Iraque.
21 de Outubro de 2005 às 00:00
No mais recente desenvolvimento num caso que está a embaraçar a administração Bush, fonte ligada à investigação disse à CNN que Rove admitiu perante o investigador Patrick Fitzgerald ter conversado com Libby sobre o assunto. Nomeadamente, ambos terão comentado que foram contactados por jornalistas que sabiam que Plame era uma agente da CIA. Essa conversa terá ocorrido dias antes de o nome de Plame ter sido publicamente revelado pelo colunista Robert Novak, do ‘Washington Post’.
Rove admitiu, durante a corrente investigação, ter falado com Novak antes de este publicar o artigo, mas negou ter-lhe confirmado a identidade da agente da CIA. Plame, que falou com a jornalista Judith Miller, do ‘New York Times’ e com Tim Russert, da NBC, afirma o mesmo, mas já foi desmentido por este último – Libby afirma que foi Russert quem lhe disse o nome da agente, mas este garante que quando falou com o assessor de Cheney não conhecia o nome da agente uma vez que o artigo de Novak ainda não tinha sido publicado.
Apesar dos desmentidos, os dois responsáveis da administração são o principal alvo da investigação e especula-se que poderão ser acusados, no mínimo, de obstrução à Justiça e de falsas declarações.
A oposição democrata já exigiu, entretanto, ser informada sobre o que Bush sabia ao certo sobre este caso, nomeadamente, quando é que foi informado por Rove das conversas que manteve com os jornalistas.
Ver comentários