Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo

Rublos substituem benefícios

A queda do regime comunista não foi apenas o fim de um capítulo da História. Para os pensionistas russos ela transformou-se agora no princípio de uma nova vida, com regras que alteram por completo os seus hábitos quotidianos e que estão a criar fortes tensões sociais.
13 de Janeiro de 2005 às 19:18
Desde 1 de Janeiro deste ano, os reformados russos viram ser-lhe retirados importantes benefícios, a troco do pagamento de pensões. É a fórmula ocidental posta em prática na nova Rússia pós-comunista, mas para os idosos russos é um roubo de direitos adquiridos que os obriga a uma mudança indesejável.
As manifestações têm-se sucedido e as autoridades administrativas (centrais e regionais) procuram já implementar medidas de meio-termo, por forma a dar alguma resposta ao clamor de revolta de cerca e um quatro da população russa. Os reformados na Rússia não pagavam transportes (na sua área de residência) e assistência médica (com particular destaque para os medicamentos). Era uma herança das teorias comunistas falidas. Agora, os tempos são outros e essa não é uma expressão vazia.
Os reformados, que por natureza da idade acompanham com maior dificuldade este tipo de mudanças, viram-se confrontados com pagamentos até aí desconhecidos. É certo que também começaram a receber pensões de reforma actualizadas face às novas regras, mas dinheiro não é uma resposta directa às necessidades; é um veículo de compra de soluções... sujeito a regras de inflação às quais estavam alheios os benefícios sociais que os reformados russos tinham à sua disposição sem qualquer encargo financeiro.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)